Política e Sustentabilidade sob um ângulo crítico
Quinta-feira, 12 de Julho de 2007
Bases de um Sistema Nacional de Educação Ambiental
Foi lançada no Encontro Nacional de Gestores Estaduais de Educação Ambiental (3 a 6 de julho de 2007, Salvador - BA) a proposta do Sistema Nacional de Educação Ambiental - SISNEA.
Para além de ser mais uma sigla na área (e já há tantas!), trata-se de uma proposta de articulação e organização das diversas instâncias, esferas e organizações que atuam em Educação Ambiental.
Se olharmos o texto-base (aberto à consulta pública) a partir desta ótica, teremos mais condições de ler criticamente o documento, discutirmos entre nossos pares e apresentarmos contribuições efetivas e construtivas.
Escrevo este texto procurando chamar atenção mais no processo de consulta pública do que no conteúdo da proposta em si. Em geral, gastamos uma energia muito grande criticando frases, ortografia, e a posição de uma palavra no texto, ao invés de nos debruçarmos na proposta como um todo.
Penso que esta análise mais "macro" é muito mais importante do que alterações na redação do texto.
Outra coisa que percebo é uma certa postura reativa ao novo. Tudo bem que esta proposta não é tão nova assim, na medida em que ela procura melhor organizar o que temos, mas obviamente há novidade no ar. E isso, sem dúvida, gera reações fervorosas, agressivas.
Porque não canalisarmos essa energia para uma efetiva contribuição para incrementar a proposta ao invés de repudiá-la ou batê-la?
Afinal falamos tanto de cooperação, sinergia e integração, mas temos sérias dificuldades de trabalharmos em equipe, de compartilharmos "nossos" projetos em prol de objetivos mais amplos e relevantes.

fica aí mais essa reflexão...
e quem se interessou pela proposta, visite a página e conheça mais:
CLIQUE AQUI


publicado por fabiodeboni às 18:44
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 10 de Julho de 2007
Encontro de Gestores - aprendizados
Estive atuando na organização do Encontro Nacional de Gestores Estaduais de Educação Ambiental, realizado na semana passada (3 a 6 de julho), em Salvador - BA.
O Encontro foi ótimo, superou expectativas (não só minhas, mas de diversos participantes) e possibilitou alguns avanços nas suas 2 pautas principais:
1) Gestão Compartilhada da Educação Ambiental
2) Sistema Nacional de Educação Ambiental - SISNEA

Ambas, diretamente relacionadas, foram trabalhdas em atividades diversas (mesas redondas, grupos de trabalho, encontros setoriais, plenárias, etc), propiciando momentos de diálogo, troca de experiências, discussões e construções coletivas. 

Sem dúvida, estamos avançando no processo de planejamento e realização de Encontros de Educação Ambiental, tanto em termos operacionais, estruturais, metodológicos e políticos. Procurando dialogar com estes eixos, compartilho algumas impressões e aprendizados a partir deste Encontro:

1. Programação: devemos ser menos "caxias" quando montamos uma programação de um Encontro - menos atividades e mais tempo para reflexão, respiro e digestão de tanta informação!  A idéia (já testada não neste encontro mas em outros) de um momento livre (uma manhã, tarde ou noite) é muito boa e deveria ser mais adotada.
2. Objetivos e pautas: relacionado ao item anterior, tendemos sempre a projetar muitos objetivos e muitos pontos de pauta nos Encontros, e isso o torna mais complexo (e muitas vezes mais complicado), exigindo uma metodologia mais detalhada e mais tempo de "digestão" de tanta coisa...É algo a ser repensado: objetivos e pautas mais prioritários.
3. Logística: sabemos que é parte mais chata do encontro, mas se ela não for devidamente cuidada ela prejudica o encontro como um todo. Exemplo: se um participante ficar 4 horas no aeroporto esperando o traslado, ele certamente chegará pouco amigável no encontro, e sua participação ficará marcada por este fator negativo. Este item requer habilidade e experiência da equipe para planejar e executar com competência toda a logística que o encontro requer. Não dá pra fazermos na base do amadorismo....Outra coisa: em geral esta equipe é a que mais trabalha durante o evento, não tendo tempo nem para escovar os dentes...Ou seja, é correria pura!
4. Equipe: é fundamental uma integração inicial entre as pessoas que atuarão na equipe organizadora do evento, em todos os níveis (apoio, logística, coordenação, facilitação, etc)...Para isso, reuniões prévias para alinhar pensamentos e ajustar procedimentos é fundamental. Muitas vezes uma equipe numerosa não significa uma equipe eficiente. E é importante lembrar que, para os participantes, todos são organizadores, independente se sua função for apenas apertar o "enter" do computador.
5. Detalhamento da Metodologia: há um instrumento chamado de "Fio Lógico" - ainda pouco comum nos bastidores de encontros de EA, mas que precisa ser mais divulgado e utilizado. O Fio Lógico nada mais é do que uma Programação detalhada, momento a momento do Encontro, com informações do tipo: quem coordena? Como? Quais objetivos deste momento? Quais as necessidades deste momento? O Fio Lógico ajuda a minimizar imprevistos muito comuns ainda, como por exemplo, reuniões intermináveis de equipe, madrugada adentro, para planejar o dia seguinte....Mas como nós, brasileiros, deixamos tudo para última hora, ainda levaremos um bom tempo para nos apropriarmos desta técnica.....que pena!

São alguns aprendizados que podemos tirar deste Encontro (e de tantos outros) a fim de evitarmos repetir erros nos próximos encontros que vamos realizar.....Daí a idéia de colocar na roda estas questões aqui no blog.. Quem sabe alguma "alma iluminada" não as leia e faça bom uso das mesmas....
brincadeiras à parte, fica aí o registro e a reflexão......


publicado por fabiodeboni às 21:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 2 de Julho de 2007
Analisando a entrevista de Lester Brown
Foi publicada na Folha de São Paulo uma entrevista com Lester Brown, histórico ambientalista norte-americano e coordenador do WorldWatch Institute (link da Revista deles em português), também já circulando pelas redes por aí.

Meu objetivo neste "post" são, na verdade, dois:
1) Publicar na íntegra a entrevista que Lester concedeu à Folha, como forma de facilitar o acesso das pessoas às suas idéias
2) Fazer alguns contrapontos à algumas de suas idéias, questionando-as e agregando olhares mais tupiniquins, digamos...

Começarei ao contrário, ou seja, compartilhando alguns comentários e questionamentos de trechos da entrevista, a qual segue logo após.

Alguns questionamentos e contra-pontos possíveis:
1) O Lester Brown é norte-americano, e obivamente traz consigo um olhar de país "mais rico e poderoso" do mundo, apesar de ser ambientalista e aliado em muitas batalhas pela sustentabilidade. É possível perceber isso, sobretudo quando ele fala da China.
2) Seu olhar sobre a China vai muito na direção de minizar a culpa dos EUA e dividar a "conta" com a China. É claro que isso em parte está correto, mas por outro lado em nenhum momento ele aponta para a necessidade urgente de uma dimunição do padrão de consumo dos americanos.
3) Note que a crítica vai na direção oposta, ou seja, os países em desenvolvimento não podem seguir o modelo americano de produção e consumo, pois o planeta não aguentaria.. ok, mas e a revisão do modelo dos países industrializados? Esta discussão não seria igualmente importante e urgente, ou até mesmo mais preemente, se olhada sob um contexto histórico (quem poluiu mais até agora, deve pagar mais).
4) As saídas apontadas, como sempre, referem-se a questões tecnológicas (mudança de matriz energética, novos carros, etc)... Nada se fala em mudança de paradigmas, de modelo de sociedade, de produção e consumo, etc.
5) Na entrevista há um momento onde ele toca nisso, falando sobre a mídia (publicidade).. Poderia ter sido mais ousado, ampliando sua análise à sociedade como um todo.

Há muitas outras análises e questionamentos possíveis.. Páro por aqui, por enquanto.
Gostaria de ver entrevistas e matérias com olhares "terceiro-mundistas" sobre a questão dos biocombustíveis e mudanças climáticas. Estamos (re)vendo uma articulação dos países "ricos" para novamente dividir a "fatura" com os países em desenvolvimento, como forma de tirar das suas costas a culpa histórica pelo processo de emissão de gases do efeito estufa, degração socioambiental planetária, etc....É algo que devemos estar muito atentos, e nos posicionarmos sempre que possível...

Agora vai a entrevista:

ENTREVISTA/LESTER BROWN

"Biocombustíveis são maior ameaça à diversidade na Terra"
Pioneiro no movimento ambientalista prevê "disputa épica" entre os 800 milhões de donos de carros e os 2 bilhões mais pobres do planeta com a produção de álcool a partir de grãos
A AMBIÇÃO BRASILEIRA de criar um mercado mundial para o álcool em parceria com os EUA encontrou um opositor de peso em um dos pioneiros do movimento ambientalista: o americano Lester Brown, 72, com influência suficiente para ser ouvido no Congresso dos EUA, no Fórum Econômico Mundial ou na Academia de Ciências da China. Ele diz que o uso do milho por usinas de álcool desencadeou uma disputa de proporções épicas entre os 800 milhões de donos de carros e os 2 bilhões de pessoas mais pobres do planeta.

CLÁUDIA TREVISAN
DA REPORTAGEM LOCAL

O aumento da demanda por milho para fabricação de álcool tem levado à inflação de alimentos em todo o mundo, diz Brown, com efeitos perversos para a população mais pobre.
A posição é semelhante à do ditador cubano Fidel Castro e do presidente venezuelano, Hugo Chávez, que vêem nos biocombustíveis uma ameaça à oferta de alimentos no mundo.
A tecnologia brasileira de fabricação de álcool a partir da cana-de-açúcar não escapa das críticas do ambientalista. "Se eu tivesse que identificar a mais importante ameaça à diversidade biológica da Terra, ela seria a demanda crescente por biocombustíveis", disse Brown em entrevista por telefone.
O ambientalista afirma que a Terra não terá como acomodar milhões de chineses com o mesmo padrão de consumo dos norte- americanos. Se crescer a 8% ao ano, afirma, a China terá em 2031 renda per capita igual à dos Estados Unidos hoje.
Caso os chineses do futuro consumam como os americanos de hoje, o país asiático terá 1,1 bilhão de carros em 2031, mais que os 800 milhões existentes hoje no mundo. Para alimentar sua frota e seu crescimento, precisará de 99 milhões de barris de petróleo/dia, mais que a produção mundial atual, de 85 milhões de barris/dia.  
FOLHA - O sr. tem uma posição distinta da maioria dos ambientalistas em relação ao uso do álcool como combustível. Por quê?
LESTER BROWN - Muitos ambientalistas estão mudando de posição em relação a essa questão. O cenário de um ano atrás não é mais o mesmo hoje, pelo menos não nos Estados Unidos. Se utilizarmos quantidades crescentes de grãos para dar combustível aos carros, isso levará à alta no preço de alimentos e será uma ameaça à população mais pobre do planeta.
Os ambientalistas estão retirando apoio ao álcool e falando em carros híbridos [movidos a gasolina e eletricidade] que podem ser recarregados em uma tomada, vistos cada vez mais como a solução para os Estados Unidos. O Toyota Prius é o carro híbrido mais popular nos Estados Unidos.
Se for agregada a ele uma segunda bateria com tomada, será possível recarregá-la à noite em casa. Com isso, os percursos de curta distância seriam realizados totalmente com eletricidade. Se fizermos isso nos Estados Unidos, poderemos reduzir nosso consumo de petróleo em cerca de 80%.
Se, ao mesmo tempo, investirmos em centenas de usinas eólicas [movidas a vento], agregaríamos energia barata à nossa rede de transmissão, o que nos permitiria ter energia equivalente a um galão de gasolina por US$ 1. Está surgindo uma grande coalização entre companhias de eletricidade, corporações, ambientalistas e governos municipais e estaduais para encorajar a adoção desse caminho.

FOLHA - O sr. fala em um "confronto épico" entre os 800 milhões que têm carros e as 2 bilhões de pessoas mais pobres do mundo, que vêem os preços dos alimentos subirem. Os vencedores desse confronto, pelo menos até agora, parecem ser os 800 milhões de motorizados, considerando os pesados investimentos na produção de álcool.
BROWN - Por enquanto, os 800 milhões têm sido vitoriosos, porque houve enormes investimentos em usinas de álcool nos Estados Unidos. A capacidade de produção em construção é maior que a capacidade de todas as usinas criadas desde o início do programa [de fabricação de álcool], em 1978.
Até o fim do próximo ano, quase 30% da colheita de grãos irá para usinas de álcool, reduzindo a quantidade disponível para exportações. Como o mundo depende fortemente dos Estados Unidos, que é um dos maiores exportadores de milho e de trigo, isso vai criar problemas graves aos importadores de grãos, como Japão, Índia, Egito, Nigéria, México.

FOLHA - A recente inflação nos preços de alimentos no mundo pode ser atribuída ao álcool?
BROWN - Há outros fatores, como falta de água, mas a causa principal da inflação nos últimos seis meses tem sido o aumento no preço de grãos. Isso ocorre em todos os lugares do mundo: no preço do porco na China, da tortilha no México, da cerveja na Alemanha.

FOLHA - Com tantos investimentos no setor, é possível uma reversão no uso de álcool nos Estados Unidos?
BROWN - Ninguém sabe. O que começamos a ver é uma reação dos consumidores. Estamos em uma situação inusual, na qual subsidiamos a alta do preço de alimentos. Como contribuintes, estamos dando os subsídios que vão para a produção do álcool. Perdemos nas duas pontas, como contribuintes e como consumidores.

FOLHA - Além disso, a produção de álcool com milho é pouco eficiente.
BROWN - Sim, especialmente se comparado ao álcool produzido por cana-de-açúcar. Para cada 1 unidade de energia usada na produção de álcool a partir do milho, é obtida 1,3 unidade de energia, o que dá um ganho de 30%. No caso da cana-de-açúcar, para cada 1 unidade de energia utilizada, são obtidas 8 unidades de energia.

FOLHA - O álcool produzido a partir da cana-de-açúcar é uma opção viável aos combustíveis fósseis?
BROWN - Poderia ser nos países que podem plantar cana-de-açúcar. Nós não podemos plantar muito, porque estamos no hemisfério Norte. Mas, se países que já são grandes produtores, como o Brasil, tentarem satisfazer não apenas seu mercado interno mas também exportar, haverá desmatamento, pela expansão da produção de cana-de-açúcar ou porque a expansão da cana toma espaço de outras culturas, como soja [que ocupariam outras áreas].
A preocupação que está emergindo na comunidade internacional de ambientalistas em relação aos biocombustíveis é o efeito que eles estão tendo no desmatamento na Amazônia brasileira e no sudeste asiático, onde Malásia e Indonésia são os principais produtores de óleo de palmeira, que é usado como biodiesel.
Se eu tivesse que identificar a mais importante ameaça à diversidade biológica da Terra, ela seria a demanda crescente por biocombustíveis -álcool no caso do Brasil ou biodiesel no caso do sudeste asiático.
Eu não diria que o Brasil deve interromper sua produção de álcool. A minha sugestão é que o Brasil comece a desenvolver outras fontes de energia, incluindo a solar e a eólica, em que tem grande potencial.

FOLHA - A China acaba de superar os Estados Unidos como o maior emissor de gases de efeito estufa. A Terra é grande o bastante para acomodar os milhões de emergentes consumidores chineses?
BROWN - Eu sempre escutei que os Estados Unidos, apesar de terem apenas 5% da população mundial, consumiam quase 40% dos recursos da Terra. Isso não é mais verdadeiro.
A China hoje consome mais da maioria dos recursos básicos do que os Estados Unidos, com exceção de petróleo. O consumo de carne da China hoje é o dobro do registrado nos Estados Unidos. O de aço é o triplo.
O que acontecerá se a China alcançar os Estados Unidos em consumo per capita? Se o crescimento chinês se reduzir para 8% ao ano, em 2031 a renda per capita da China será a mesma da dos Estados Unidos hoje [com valores ajustados pela Paridade do Poder de Compra].
Se os chineses tivessem o mesmo padrão de consumo dos americanos, em 2031 a população de 1,4 bilhão ou 1,5 bilhão da China consumiria o dobro da atual produção de papel de todo o mundo. Se houver três carros para cada grupo de quatro pessoas, como nos Estados Unidos hoje, a China teria 1,1 bilhão de carros. Em todo o mundo hoje há 800 milhões. O consumo de petróleo seria de 99 milhões de barris ao dia. A produção atual de petróleo é de 85 milhões de barris por dia.
O que a China está nos ensinando é que o modelo econômico ocidental, centrado em combustíveis fósseis, no uso de carros e no desperdício, não vai funcionar para o país. Se não funcionar para a China, não vai funcionar para a Índia, que em 2031 deverá ter uma população maior que a da China. Há 3 bilhões de pessoas nos países em desenvolvimento sonhando o sonho americano.

FOLHA - A questão é essa: todos sonham o sonho americano.
BROWN - Sim, e em uma economia cada vez mais integrada, na qual todos nós dependemos dos mesmos grãos, petróleo e aço, esse modelo também não vai funcionar para os países industrializados. O que temos que fazer é pensar em uma nova economia, com fontes renováveis de energia, que tenha um sistema de transporte diversificado e que reúse e recicle tudo.

FOLHA - Há disposição entre os líderes chineses para mudar o padrão de desenvolvimento do país?
BROWN - Eles publicam quase tudo o que eu escrevo. O primeiro-ministro Wen Jiabao começou a me citar em alguns de seus discursos. As coisas mais estimulantes que aconteceram em energia renovável nos últimos anos aconteceram na China. Até o fim deste ano, 40 milhões de casas terão água aquecida por energia solar, captada por painéis colocados nos telhados das casas, e o número deve quadruplicar até 2020.

FOLHA - É possível para a China mudar o padrão de desenvolvimento e caminhar na direção de fontes renováveis de energia sem sacrificar o crescimento econômico?
BROWN - Se não reestruturarmos a economia mundial, o crescimento econômico será insustentável. Precisamos reestruturar a economia muito mais rapidamente do que a maioria das pessoas imagina.
Os números que mencionei sobre a China como nação consumidora se referem a 2031, quando eles estariam consumindo mais recursos do que o mundo possui.
Se não reestruturarmos a economia no mundo, o progresso econômico provavelmente não se sustentará.


publicado por fabiodeboni às 15:07
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

quem sou eu?
pesquisar
 
Novembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30


Estatísticas de Acesso
arquivos

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

textos recentes

Repensando a filantropia

Lula e a destruição da me...

Análise política

Sensacionalista

Visão política

Entrevista - Boaventura

Fim do golpe?

A crise e a mídia

Marina

O silêncio de Marina

links
blogs SAPO
subscrever feeds