Política e Sustentabilidade sob um ângulo crítico
Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007
Cabo Verde sediará o próximo Congresso Lusófono de EA

Encerrou-se nesta 5a feira (27/9) o I Congresso Internacional de EA dos Países Lusófonos e Galícia, com a proposta aprovada de realização da 2a edição do Congresso em Cabo Verde, em 2009.

Na plenária final os resultados e recomendações dos diversos Grupos de Trabalho também foram apresentados.

Um dos encaminhamentos é de continuidade da articulação entre participantes e pontos focais dos países participantes, por meio da Rede Lusófona de EA, aumentando o intercâmbio entre experiências e pessoas.

Os países africanos e Timor Leste têm solicitado mais apoios e um incremento da cooperação por parte do Brasil, Portugal e Galícia, considerados os países "mais avançados" no campo da EA.

 

No caso da Juventude, foi realizado simultaneamente ao Congresso o I Encontro Lusófono da Juventude pelo Meio Ambiente, que traçou as bases de uma articulação lusófona das distintas organizações de juventude dos países, focadas no intercâmbio de experiências e na potencialização das ações locais que já vêm sendo realizadas em cada país.



publicado por fabiodeboni às 21:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 26 de Setembro de 2007
Mais notícias do Lusófono

Reúno aqui mais duas matérias do Jornal Galícia Hoje, uma publicada hoje (26/9) e outra no dia 24/9.

Amanhã será a Plenária Final (14 h - horário de Brasília) onde serão apresentados os resultados dos GTs e os encaminhamentos do Congresso. (www.canal-ea.net)

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

 

Jornal "Galicia Hoxe" de 26 de setembro de 2007.

http://www.galicia-hoxe.com/index_2.php?idMenu=86&idNoticia=212950

prevención

Loita contra o cambio climático

Aconsellan que os medios eduquen os cidadáns

REDACCIÓN. SANTIAGO

Especialistas en educación ambiental de Galicia e varios países lusófonos coincidiron onte en sinalar que os medios de comunicación son unha "ferramenta clave" para previr e evitar o cambio climático, porque poden crear unha "mobilización social" entre os cidadáns e contribuír a prácticas sostibles.

Así o sinalaron os expertos participantes na mesa redonda Comunicación e educación sobre o Cambio Climático do I Congreso de Educación Ambiental dos Países Lusófonos e Galicia, organizado polo Centro de Extensión Universitaria e Divulgación Ambiental e Galicia (CEIDA). Un dos membros do Consello da Cultura Galega, Francisco Díaz-Fierros, advertiu que a educación ambiental é a vía pola que hai que concienciar os cidadáns de que o cambio climático é un problema.

Na mesa redonda participou tamén un experto en comunicación do Ministerio de Medio Ambiente, Francisco Heras, quen asegurou que o educador ambiental debe "transmitir as causas, os riscos e como actuar" ante este fenómeno.

Tamén interviñeron neste debate o responsable do proxecto Climántica da Consellería de Medio Ambiente da Xunta, Francisco Sóñora, así como a coordinadora xeral de Educación Ambiental do Ministerio de Educación de Brasil, Rachel Trajber.

Neste congreso, celebrado en Santiago de Compostela, participan máis de 400 especialistas, investigadores, representantes das administracións de 9 Estados e membros de varias ONG. Ó encontro asisten delegados de Angola, Cabo Verde, Guinea Bissau, Mozambique, Santo Tomé e Príncipe, Timor Leste, Brasil e Portugal, e os representantes das administracións española e galega.

 

A xuntanza busca "crear as bases dunha cooperación"

O obxectivo do congreso é "sentar as bases dunha cooperación internacional en áreas moi vinculadas ó medio ambiente, como son o turismo, o cambio climático, a xestión ambiental municipal ou a conservación da biodiversidade, para construír sociedades sostibles", segundo a organización.

DEBATE

A globalización da escravitude

Na xornada desensvolveuse o debate O Mundo lusófono na globalización, no que participaron o presidente da fundación Galiza Sempre, Xosé Manuel Beiras, o vicerreitor da universidade autónoma de Lisboa, Luís Mota, e o secretario de cidadanía ambiental do Ministerio de Medio Ambiente de Brasil, Hamilton Pereira. Beiras afirmou que a "globalización é unha fase, a última ata agora, do proceso de mundialización do capitalismo", e explicou que este fenómeno non se reduce ó ámbito económico, senón que tamén afecta ó ideolóxico e ó xurídico. Mota considerou que a globalización "empezou en África co tráfico de escravos" e opinou que "conseguiu unificar a economía mundial". Pereira explicou que en Brasil se cría que os monopolios de terra eran o que daba lugar ás grandes riquezas, ata que o intelectual Luís Felipe de Castro denunciou que a riqueza estaba en mans dos traficantes de escravos.

 

 

Jornal "Galicia Hoxe" de 24 de setembro de 2007.

http://www.galicia-hoxe.com/indexCanales.php?idMenu=464&idNoticia=212605

ANTEPOÑER A CONSERVACIÓN DE ESPAZOS NATURAIS AO CRECEMENTO

Manuel Vázquez considera a educación un piar "esencial" no desenvolvemento de políticas medioambientais

24.09.2007 O conselleiro de Medio Ambiente salientou a importancia dos programas educativos a todos os niveis durante o inicio do primeiro “Congreso Internacional de Educación Ambiental dos Países Lusófonos e Galicia”, que esta semana se celebra en Santiago

 

Investigadores e educadores de países lusófonos e Galicia reúnense durante esta semana en Santiago coa finalidade de intercambiar experiencias e iniciativas no eido da educación ambiental. Un asunto, a educación, que o conselleiro de Medio Ambiente, Manuel Vázquez, cualificou de “esencial” no desenvolvemento das políticas medioambientais. Así o sinalou no inicio do primeiro Congreso Internacional de Educación Ambiental dos Países Lusófonos e Galicia, que organiza o Centro de Extensión Universitaria e Divulgación Ambiental de Galicia (Ceida) –organismo creado grazas un convenio entre a Consellería de Medio Ambiente, o Concello de Oleiros e a Universidade da Coruña- e os campus galegos.

O conselleiro de Medio Ambiente resaltou o momento que vive Galicia na actualidade en materia medioambiental, que definiu como “crucial”. “Contamos con grandes recursos naturais que intentamos preservar e desenvolver con criterios de sostibilidade”, declarou Manuel Vázquez, quen insistiu na necesidade de antepoñer a conservación dos espazos naturais ao crecemento desmesurado e irracional. Así, definiu o congreso como unha boa oportunidade que teñen países cunha ligazón importante, como é o caso de Portugal, para poñer en común experiencias e colaborar no desenvolvemento de actuacións compartidas en materia medioambiental.

Na mesma liña, o responsable autonómico salientou que só é posible falar de crecemento económico “se leva aparellado un criterio de sostibilidade dos recursos naturais, fundamentalmente da auga, pero tamén do aire e os ecosistemas”. Manuel Vázquez recordou, neste senso, a participación de Galicia en foros mundiais sobre o cambio climático e a posta en marcha de políticas para frear este fenómeno, promovidas polo departamento autonómico e que os representantes galegos compartirán co resto dos participantes no congreso.



publicado por fabiodeboni às 21:29
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 25 de Setembro de 2007
Clipping do Lusófono

Reproduzo aqui notícia fresquinha, publicada no Jornal Galicia Hoxe desta 4a feira (25 de setembro).

A matéria não saiu lá essas coisas, mas de alguma forma é registro jornalístico do Congresso.

 

Percebam que o texto está em Galego (e não em Castelhano)...

 

Depois desta notícia, reproduzo uma entrevista publicada no Jornal "La Voz de Galícia" com a atual presidenta da Sociedade Galeda de Educação Ambiental, a Profa. Lucía, da Universidade de Santiago de Compostela, na qual comenta também sobre o Congresso...

 

Boa Leitura!

 

********************************************************************************************** 

 

 

Jornal "Galicia Hoxe" - 24 de setembro.

Ecoloxía, tamén lingüística

O Congreso de Educación Ambiental e Lusofonía propón a unión dos países que comparten un idioma para que busquen as súas identidades nun traballo ambiental común

REDACCIÓN . SANTIAGO

Francisco Díaz Fierros, pola esquerda, Ramón Villares, Manuel Vázquez e Carlos Vales onte no Consello FOTO: Xoán Crespo
Francisco Díaz Fierros, pola esquerda, Ramón Villares, Manuel Vázquez e Carlos Vales onte no Consello
FOTO: Xoán Crespo
A lingua como "fío común" entre Galicia e os países lusófonos permite crear espazos comúns para o estudo e a defensa do medioambiente. Nestes termos expresouse onte Carlos Vales, organizador do I Congreso Internacional de Educación Ambiental e Lusofonía que se celebra até o 27 de setembro na Facultade de Filoloxía de Compostela.

Máis de 400 especialistas, membros de ONGs, investigadores e representantes de nove estados participan no certame chegados dende Angola, Cabo Verde, Guinea Bissau, Mozambique, San Tomé e Príncipe, Timor Leste, Brasil e Portugal. Precisamente esta reunión internacional que coincide no tempo coas sesións que a ONU dedicará ao cambio climático.

O conselleiro de Medio Ambiente, Manuel Vázquez, asistiu ao I Encontro de Puntos Focais Luso Galaicos en Educación Ambiental, xunto co presidente do Consello da Cultura Galega (CCG), Ramón Villares, o presidente do comité organizador do evento, Carlos Vales e o vicepresidente do CCG, Francisco Díaz Fierros.

Manuel Vázquez valorou o encontro como unha oportunidade para "reforzar a necesidade de facer compatible o crecemento económico coa preservación dos recursos naturais" así como para intensificar a colaboración na mesma liña que o viña realizando a Comisión da Coordinación Galicia-Norte de Portugal.

Pola súa parte, o organizador do simposio, Carlos Vales, aclarou que non existe unha "relación directa" entre a situación ecolóxica dos países lusófonos e o galego senón que se aproveita o "fío común" que supón compartir unha "lingua e unha orixe cultural".

O representante do Ministerio de Medio Ambiente de Brasil, Marcos Sorrentino, aclarou que durante o V Congreso Iberoamericano de Educación Ambiental debateuse a necesidade de crear "articulacións máis específicas", e unha "moi importante", segundo puntualizou, é a lingüística. Así, apostou por "conseguir unir os países que comparten unha lingua para que busquen as súas identidades no campo da educación ambiental".

A idea de crear este primeiro foro xurdiu a partir dunha proposta do Ministerio de Medio Ambiente de Brasil durante un "longo proceso de colaboración" entre educadores ambientais das dúas rexións, segundo apuntou Vales.

 

Galicia e Brasil, unidos por unha lingua semellante

Uns expertos brasileiros "descubriron" que Galicia compartía co país carioca unha lingua que se asemella "máis ó brasileiro que o propio portugués de Portugal", asegurou o organizador. Así, a procura dun traballo ambiental común e os vínculos lingüísticos, xunto o exemplo de iniciativas anteriores, fixeron pensar en facer confluír estes países cunha lingua e cultura común.

Ademais, reiterou a importancia de que este encontro non se converta nun congreso "no seu sentido clásico" e non se esgote en si mesmo, senón que avogou por buscar continuidade porque se trata do "inicio dun proceso de traballo compartido".

Entre os numerosos representantes institucionais atópanse todos os responsables de política ambiental dos países participantes, así como expertos en ecoloxía e a titular de Educación Ambiental do Ministerio de Medio Ambiente español, Aina Llauguer.

SOARES SAMBU

"Enfrontámonos á degradación"

As universidades de Santiago e da Coruña, a Sociedade Galega de Educación Ambiental (SGEA) e o centro de Extensión Universitaria e Divulgación Ambiental de Galicia (CEIDA) organizan este certame no que onte participou tamén o ministro de Recursos Naturais e Ambiente de Guinea Bissau, Soares Sambu. O representante guineano subliñou que a "presenza masiva das autoridades dos nosos países, da sociedade civil e ONGs recolle o carácter transversal do tema do medio ambiente, nun momento no que a humanidade se enfronta a unha situación de degradación do ambiente no que a cooperación internacional ten necesariamente un papel extraordinariamente importante".

 

 

======================================================================

Jornal "La Voz de Galícia" - 22 de setembro.

 

http://www.lavozdegalicia.es/santiago/2007/09/23/0003_6165220.htm

 

Educación para a cidadanía debe formar para conservar o ambiente»

Preside a Asociación Galega de Educación Ambiental, un área que reúne na cidade a centos de asistentes galegos, españois e dos oito países lusófonos

Autor:
José Xavier Bom

De 512 preinscripcións, a maioría (175) son do Brasil, seguidas das galegas (168), portuguesas (106), angolanas (18) e as 45 restantes de Cabo Verde, España, Mozambique, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe, e Timor. Oito departamentos da Xunta, ministerios de todos eses países, as tres universidades galegas, o Consello da Cultura, a Fundación Santiago Rey Fernández-Latorre e Voz Natura apoian este acontecemento, onde os galegos compartirán idioma cos lusófonos sen tradutores.

-¿Que lugares de encontro hai entre estes pobos?

-Hai situacións heteroxéneas na concepción da educación ambiental, e nas accións en cada país en relación co medio, nas medidas de desenvolvemento social, socioambiental, ou da igualdade de oportunidades para homes e mulleres. Aínda que o medio ambiente e as accións económicas, educativas e de planificación, cada vez se está vendo que teñen que ser dun xeito común a nivel internacional. Así acontece cando se fala de globalización, do cambio climático, da perda de biodiversidade, e da necesidade dunha masa crítica que se debe canalizar a través da educación ambiental como nexo común.

-¿Que papel ten a educación ambiental nas universidades galegas?

-Educación ambiental e universidade é unha das dez áreas de traballo do congreso, a que eu coordino. Van ser expostos traballos sobre liñas de oferta formativa e outras accións que emprenden as universidades para contribuír a un impacto ambiental menor, redución de consumo e mellora da calidade de vida na comunidade universitaria e no conxunto da sociedade. Falaremos de experiencias como os planos de desenvolvemento sostible da USC e a xestión ambiental das da Coruña e Vigo, e outras.

-¿Funcionou como disciplina transversal no ensino non universitario?

-A Logse recoñecía esa transversalidade para todas as materias curriculares, ao igual que a educación cívica ou para a saúde. Foi unha oportunidade, que dependeu do interese e da sensibilización dos docentes. Faltou unha aposta da Administración para que a formación, os estímulos e os recursos se orientasen para a educación ambiental e tamén para as outras materias transversais.

-¿Que acontece coa nova lei educativa?

-Elimina esa referencia ás transversais, aínda que os docentes que orientaban a súa actuación para a educación ambiental poderán continuar coas actividades para favorecer a separación dos residuos, a reciclaxe e reutilización de materiais, ou o uso de determinadas formas de consumo. Agora está a proposta de Educación para a cidadanía, que debe formar para conservar o ambiente e canalizar a educación ambiental. Dependerá de como apoien e incentiven esa nova materia.

-¿Como se debe entender a educación ambiental?

-O que quere en última instancia a nosa disciplina é que a persoa diferencie os planos desde os que lle chegan as informacións, o que quere para o futuro e para o presente, para si e para os outros. Iso supón estar atento, ser activo e participar; non cidadáns apartados e conformistas.



publicado por fabiodeboni às 12:39
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 24 de Setembro de 2007
Notícias da Galícia

Estou em Santiago de Compostela participando do Congresso Lusófono de EA, e reúno aqui as primeiras impressões que estou tendo:

 

1. O que nos une?:

Vale lembrar que são 8 países que constituem a CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) e que para além do óbvio quesito da língua portuguesa há outras questões que nos unem...Quais seria elas?

Na plenária de hoje a Profa. Berta Becker (UFRJ) apontou uma questão que refere-se a problemas de desenvolvimento que todos enfrentamos, em níveis diferentes.

 

2. Viva a Diversidade!

É bem mais fácil perceber a diversidade e as especificidades dos países:

- contextos e realidades socioeconômicas, políticas, ambientais e culturais diferentes

- relação entre os países é distinta

- trajetórias históricas

- sotaques, pronúncias, expressões...

 

Vale a pena comentar rapidamente como está o espírito geral do Congresso:

- clima de amizade e cooperação no ar

- diferenças de horários e costumes da Galícia (Espanha): horários de almoço e jantar, etc

- reencontros e encontros de pessoas

- sentimento no ar do tipo "não viemos aqui para passear", ou seja, há uma excelente adesão às atividades e um espírito colaborativo e pró-ativo

- uma surpresa de interesses pelo tema da cultura de redes...E neste item o Brasil pode, especialmente, contribuir...

 

Vou escrevendo mais a respeito do Congresso e das impressões gerais....

 



publicado por fabiodeboni às 20:18
link do post | comentar | favorito
|

Congresso Lusófono - Ao Vivo!

Inicia-se hoje o 1 Congresso Internacional de EA dos Países Lusófonos e Galícia, em Santiago de Compostela (Espanha).

O canal EA.NET (CLIQUE AQUI) transmitirá os principais momentos do Congresso.

 

Hoje será transmitida a abertura do mesmo, prevista para ocorrer as 11 horas (hora de Brasília); 16 horas (hora local).

 

Enviarei mais comentários e impressoes daqui...Participantes dos 8 países que falam português estao por aqui (Brasil, Portugal, Angola, Mocambique,Guiné Bissau, Sao Tome e Principe,  Cabo Verde e Timor Leste, além dos nossos colegas Galegos).

 

Um diversidade incrivel de pessoas, realidades e contextos das diversas EAs existentes....

...nada mais favorável a um excelente Congresso de EA.

 



publicado por fabiodeboni às 09:10
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 19 de Setembro de 2007
Entrevista com Irineu Tamaio

 

Dando seqüência à série de Entrevistas a educadores(as) ambientais e pessoas que dialogam e contribuem com a temática socioambiental, desta vez o entrevistado é Irineu Tamaio, atual Coordenador do Programa de Educação para Sociedades Sustentáveis do WWF – Brasil.

Vale resgatar que a idéia desta série é a de tentar, o máximo possível, se aproximar de uma conversa informal, ao melhor estilo "mesa de bar", perguntando sobre questões relacionadas ao universo da Educação Ambiental e temas afins, sem ser algo muito longo e monótono...

 

A entrevista foi feita virtualmente, e desde já agradeço a disponibilidade e acolhida com que o amigo Irineu colaborou com a proposta do blog.

 

Uma boa leitura!

 

 

Conhecendo um pouco mais sobre o entrevistado:

Irineu Tamaio atuou como professor do ensino fundamental durante 12 anos, e possui experiências com EA no movimento ambientalista, tendo atuado em ONGs, Agências de Cooperação, Governos municipais, estaduais e nos últimos 4 anos desempenhou o papel de gestor-educador no Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente (MMA). Assumiu em maio deste ano, a Coordenação do Programa de Educação para Sociedades Sustentáveis do WWF - Brasil. Também é Doutor em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília-UnB (2007), com mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP (2000) e graduação em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-PUC/SP (1987).

 

Questões:

 

1)  Como você compara o trabalho no governo federal e em ONG ? Há muita diferença? Em que níveis?

 

Irineu: Já atuei como Coordenador de Educação Ambiental na esfera municipal (Prefeitura da cidade de São Paulo), na esfera estadual (Instituto Florestal da Secretaria de Meio Ambiente de São Paulo), e por último, no âmbito federal, no DEA – Departamento de Educação Ambiental do MMA. A experiência mostrou que são espaços ricos para a prática social de formulação de política pública. No entanto, sem canais consolidados de trocas e diálogos entre eles. Atuar no governo federal possibilita ter um mapeamento amplo, mas não aprofundado, das ações que ocorrem no Brasil. Possui também uma demanda imensa, com a responsabilidade de estar fomentando várias frentes relacionadas a EA. A diferença, para mim, de atuar no governo federal e em uma ONG, está na amplitude do raio de capilaridade das atividades. Enquanto no Governo, existe a possibilidade de articular os vários segmentos da sociedade, e atendendo centenas de propostas e múltiplos olhares oriundos da sociedade, muitas vezes sem foco, já em uma ONG a estratégia de ação é menor e restrita a um determinado território, com planejamento estratégico, processos de gestão e execução mais ágeis e com processos e resultados esperados melhores monitorados.

 

2)  Como você vê a EA brasileira na atualidade? Avançamos, se compararmos desde quando você passou a se considerar um educador ambiental?

 

Irineu: Comecei a atuar como educador ambiental em 1987, e desde lá, posso observar que avançamos muito. A EA hoje possui marcos conceituais mais elaborados, temos a PNEA, o ProNEA, Políticas e Programas Estaduais, as CIEAS, as Redes, Coletivos de Educadores, Fóruns, Encontros, Cursos, entre outros. A EA se constituiu enquanto um campo do conhecimento, que se propõe a ser múltipla e transversal. Hoje a EA é vista e reconhecida como um ato político. Temos várias intervenções pedagógicas ancoradas na mudança de paradigmas. Na minha visão, existe uma política pública orientada para a emergência de práticas sociais que contribuam para gerar processos contra-hegemônicos de construção de uma nova visão de sociedade e de modelos de desenvolvimento que nos impeça de caminhar para a catástrofe. Mas também reconheço que nem tudo “são flores” para a EA, há o grande desafio do envolvimento de toda a sociedade, a clareza de seu papel nas transformações sociais, sinto que tudo isso é um processo a ser construído. 

 

3)  Quais são os desafios colocados para o trabalho de EA no WWF ?

 

Irineu: É garantir a presença e participação da EA nos projetos de conservação dos recursos naturais e a reformulação da proposta político-pedagógica do programa que está completando 10 anos. Agora o programa chama-se EA para sociedades sustentáveis, por razões conceituais, acreditamos na construção de sociedade sustentáveis em contraposição a desenvolvimento sustentável. O WWF atua como uma rede mundial, e como todo sistema vivo, possui várias leituras e concepções do papel da EA na instituição. No Brasil reconhecemos a importância da EA para as transformações de modelos de gestão socioambiental que almejamos, no entanto, é um exercício que deve ser colocado cotidianamente. Outro desafio é contribuir com os outros parceiros de caminhada na mobilização da sociedade brasileira para a importância da manutenção da vida.

 

4)  Que perguntas você gostaria de fazer aos educadores ambientais de uma forma geral?

 Irineu: Não tenho.

 



publicado por fabiodeboni às 20:35
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 18 de Setembro de 2007
A expressão Ecologicamente (in)correta

Se há uma expressão que tem me incomodado ultimamente é a tal do "ecologicamente correto". O que ela quer dizer? Ou melhor: o que ela tem nos tentado passar?

Se olharmos friamente veremos que esta expressão tem sido apropriada rapidamente pelos ecocapitalistas como uma espécie de indicador do trabalho que eles ofertam ao mercado. É como se ao usar esta expressão já se asseguraria uma certa qualidade ao trabalho que eles realizam.

Mas afinal o que significa ser (ou considerar-se) "ecologicamente correto"? A meu ver o uso desta expressão tem sido tão distorcido que talvez seja melhor não usá-la. Ela virou mais um chavão, daqueles que se enche a boca pra falar, mas não se diz nada.

O ser "ecologicamente correto" é reciclar, é comprar este e não aquele produto ou serviço, é comprar créditos de carbono, neutralizando emissões, é comprar a pasta de dente que destina parte do seu lucro a esta ou aquela organização, é optar por carros flex, etc...Percebam que todas elas constituem-se em alternativas ecocapitalistas que, ao contrário do que prega uma Educação Ambiental mais crítica e emancipatória, não enfrentam as raízes das questões. Ou seja, compra-se créditos de carbono para não rever seu estilo de vida.

Reduzir padrões de consumo? Nem pensar... É bem mais fácil levantarmos a bandeira da reciclagem, que também virou moda, do que repensar modelos de produção e consumo.

Talvez neste ponto nos faltem receitas que nos levem de forma mais objetiva a estes novos modelos. Sim, as mesmas receitas que tanto criticamos na Educação Ambiental, nos fazem perceber que sem um mínimo denominador comum de passos e ações a serem dadas, ficará muito mais complicado construirmos novos modelos civilizatórios.

Talvez seja por isso que a tal expressão "ecologicamente correto" tenha se disseminado de forma tão rápida.

 

E vamos em frente rebatendo as receitas, lutando por novos modelos que ainda não existem (de maneira ampla na sociedade) e perdendo espaço no novo capitalismo verde. Se os velhos "inimigos" de questões socioambientais já não eram suficientes, agora temos que lidar com os "novos" ambientalistas, pragmáticos na forma de pensar a questão socioambiental e de agir a partir dela.

 



publicado por fabiodeboni às 00:44
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 15 de Setembro de 2007
Afinal, o que é mesmo educação?

Me preocupa este entendimento parcial de que eudcação é algo relacionado apenas a escola. Perceba à sua volta e verá que esta percepção é bastante difundida na sociedade. Quando se fala em educação, logo se remete à escola, ou seja, à educação formal.

A questão é que educação vai muito além da escola, passa por ela obviamente mas não se resume a ela.

Ao propor esta reflexão é impossível não remeter a um livro do Prof. Carlos Brandão, chamado de "O que é educação" (coleção primeiros passos). Trata-se de um livro simples, direto e profundo. Saiba mais sobre o livro, CLICANDO AQUI.

 

Algumas perguntas que nos fazem pensar o tema de forma mais ampla:

  • Como se educam as comunidades que não frequentam as escolas?
  • Historicamente, como estas comunidades se educavam?
  • Antes da invenção da instituição "escola" não havia educação?

Questões como estas e outras são discutidas no livro, e apesar do livro ser do início dos anos 80, estas questões estão mais presentes hoje em dia do que imaginamos. Ainda mais num fase de excesso de informação (TV, mídias, internet....); de crise no papel da escola e da família; de sobrecarga de funções para a escola, etc. 

É como se apostássemos todas as fichas na escola para educar pessoas em todos os sentidos (para passar no vestibular, para ser cidadão, para lidar com os mais variados temas, etc) já sabendo que ela não dá conta nem de trabalhar o que ela precisa fazer (matérias, conteúdos...).

 

 



publicado por fabiodeboni às 15:08
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 13 de Setembro de 2007
Carta de Despedida

Colegas dos Coletivos Jovens, REJUMA e Redes de EA

 

Brasília, 12 de setembro de 2007.

 

 

Anuncio aqui minha saída da Coordenação-Geral de Educação Ambiental, MEC. Como sabem, estava à frente do Programa “Juventude e Meio Ambiente” desde a sua concepção em 2005, e antes também na concepção dos então Conselhos Jovens no processo da I Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente, em 2003.

Meu envolvimento, portanto, com estes processos, em especial com o nascimento e crescimento dos Coletivos Jovens (CJs) é quase que visceral. Nestes anos de trabalho, procurei me dedicar e atuar de forma incansável no campo da Juventude pelo Meio Ambiente, procurando contribuir para institucionalizá-lo no âmbito do Órgão Gestor da PNEA (MEC e MMA).

Óbvio que este processo não foi fácil, tampouco trivial e simples de ser deflagrado. Muitos desafios me fizeram crescer como pessoa e como profissional; aprender coisas novas e porque não ampliar meu sentimento de militância. Muito fica por fazer; novos desafios e perspectivas.

Percebo sim que o governo brasileiro contribuiu em grande medida para catalisar iniciativas neste campo que até então estavam dispersas, estimulando a emergência de um movimento de juventude pelo meio ambiente no Brasil. Tudo isso foi e vem sendo construído a partir do envolvimento de inúmeras pessoas, em CJs, na Rejuma, e em outros espaços e organizações.

Tive o privilégio e conviver com muitas destas pessoas – parceiras de caminhada e de luta em prol da questão socioambiental – e aprender muito com cada uma delas. Uma certeza que fica é a de que não só pude deixar minha contribuição a este processo, como também construí muitas amizades.

Para mim, encerra-se neste momento uma etapa e inicia-se outra. A vida nos ensina a necessidade de repensarmos nossos rumos e destinos. A opção por sair do Programa “Juventude e Meio Ambiente” (e, portanto, do MEC) passa especialmente por dois fatores: o pessoal, e o profissional.

O primeiro, talvez o principal, diz respeito a uma razão mais do que concreta, simbólica, importante e transformadora na vida de qualquer ser humano: no meu caso, a paternidade. Este novo ser que vem merece sim um mundo socioambientalmente melhor do que ele é hoje, mas também necessita de um pai presente.

O segundo tem a ver com a opção de trilhar novos horizontes profissionais. Isto nada muda em relação a minha militância e atuação no campo socioambiental, em especial na educação ambiental. Sigo esta trilha, mas a partir de outro local de origem, com as mesmas convicções e ideais que me inspiram até aqui.

Para aqueles que quiserem manter contato e saber mais sobre estes novos rumos pessoais e profissionais:

fabio.deboni@gmail.com

www.participacao.info

 

Deixo aqui um abraço sincero em cada um(a) de vocês, após anos de parceria e atuação coletiva. Sem dúvida muitos dos princípios que orientam os Coletivos Jovens seguem comigo, assim com as lembranças, os aprendizados e, especialmente, as pessoas. Conheci nesta caminhada muitas pessoas, jovens como eu, descobrirem a abraçarem a causa socioambiental, tornando-se lideranças e ativistas, mudando o destino de suas próprias vidas e da vida de muitas outras pessoas. São estas alegrias que levo comigo, e não as lembranças das dificuldades. Estas me obrigaram a ir além, a buscar alternativas, mas as pessoas é que me fizeram perceber que todos os esforços eram mais do que importantes para que esta política pública pudesse efetivamente gerar algum impacto na vida delas, especialmente na minha.

 

Saudações ambientalistas e, é claro, muitos abraços coletivos!

 

 

Fábio Deboni

12 de setembro de 2007.

 



publicado por fabiodeboni às 00:30
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 10 de Setembro de 2007
Entrevista da Marina Silva

Disponibilizo aqui uma entrevista da ministra Marina Silva publicada ontem (domingo, 9 de setembro) no Estadão (caderno "Aliás").

 

Uma boa leitura!

 

========================================================================

 

'Não facilito nem dificulto'

Marina Silva
Ministra do Meio-Ambiente

Laura Greenhalgh

Enquanto representantes de 22 países, entre chanceleres, ministros e enviados da ONU, reuniram-se na semana passada para dois dias de debates no Rio de Janeiro - na pauta, como construir uma governança global em meio ambiente -, ardia em fogo alto um dos mais belos e impressionantes patrimônios naturais brasileiros: o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, no Estado do Mato Grosso, santuário de flora, fauna e formações rochosas de importância invulgar. O incêndio já se arrastava por dias, devastando 10% da área do parque e exibindo as dificuldades operacionais de combate ao desastre. Equipes não alcançavam as regiões de difícil acesso. Faltavam aviões para despejar água e debelar os focos. As labaredas ficaram assustadoras. Porém a ministra Marina Silva teve de fincar pé no Palácio do Itamaraty, no Rio, como anfitriã do encontro intergovernamental, ao lado do ministro Celso Amorim, das Relações Exteriores.

A vida de Marina tem dessas alterações de percurso. Apesar do incêndio no parque, a ministra precisava não só receber seus convidados, como servir-lhes a posição brasileira sobre o tema central da agenda. Saiu-se bem. Em fevereiro do ano passado, num encontro em Nairóbi, promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, o Pnuma, representantes de vários países pediram que o Brasil entrasse numa disputa de braço entre a França e o G-77 (grupo que reúne países em desenvolvimento) sobre como, e em que instância, discutir globalmente os desafios ambientais num mundo em que o nível dos oceanos sobe, as geleiras derretem, os furacões rodopiam pelos trópicos, as enchentes devastam cidades e o medo dos viventes tornou-se, digamos, uma verdade inconveniente. “Lá em Nairóbi, o debate ficou polarizado, quase um impasse. Voltando ao Brasil, procurei o ministro Celso Amorim e decidimos construir uma alternativa.” Explica-se: França acha que se deve criar uma agência internacional para tratar de governança ambiental. O G-77, com Estados Unidos, não quer nada novo. E como fica a “terceira via” brasileira? “Lançamos a idéia de criar uma organização guarda-chuva, envolvendo as agências já existentes, com suas convenções e seus secretariados, mas que não seja meramente regulatória. Que some forças, estimule a cooperação internacional e dê atenção às necessidades regionais”, explica Marina. A França gostou do arranjo. Alemanha e Itália apoiaram-no com vigor. A África do Sul quer aprofundar a proposta. E, assim, a dupla Marina-Amorim, satisfeita, deu por encerrados os trâmites no Rio, aguardando futuras rodadas de discussão.

Os dois ministros de Lula teriam cumprido a tarefa de colocar o Brasil na vitrine de um debate que hoje galvaniza a atenção mundial? A acreana Maria Osmarina Marina Silva de Sousa Vaz Lima, 49 anos, rejeita a provocação com mais argumentos do que nomes na certidão de batismo. Depois de sobreviver a tormentas no ministério, pressionada por setores econômicos e interesses do governo, no entanto preservada por uma antiga relação de camaradagem com o presidente, Marina usa de uma certa independência ao afirmar que “não é de hoje que o Brasil tem peso nos fóruns internacionais de meio ambiente”. Ou seja: não adota o discurso “nunca antes na história deste País...”. Ao contrário. “A credibilidade brasileira é feita de experiências acumuladas”, afirma. “Não é à toa que sediamos a Rio-92 e não é à toa que podemos nos credenciar para a Rio+20, em 2012.” Não se abala com os radicais verdes que a consideram uma espécie de cooptada pelo sistema. Acha que a ecologia romântica está fora do contexto e conjuga a todo momento o binômio desenvolvimento econômico versus sustentabilidade. Tem o trunfo de poder exibir, em fóruns globais, índices declinantes de desmatamento na Amazônia. “Reduzimos entre 65% e 70% nos últimos quatro anos”, diz e repete nesta entrevista ao Aliás. Crava: “Não mudei à frente do ministério. Peremptoriamente afirmo: aqui não se facilita nem se dificulta nada”.

O Brasil almeja protagonismo ao liderar posições no debate sobre governança ambiental global?

Não, porque o Brasil já é muito importante. Nenhuma discussão ambiental no mundo pode nos olvidar. A União Européia tem essa consciência. Os EUA, também. No G-77 o Brasil ocupa posição de respeito e credibilidade. Isso não vem por acaso. O País teve uma forte presença na Convenção sobre Mudanças do Clima ao defender o conceito das responsabilidades comuns, porém diferenciadas. E somos uma potência em recursos naturais. Temos 60% da maior floresta tropical do mundo, 20% das espécies vivas do planeta, mais de 11% das reservas de água doce, não há como ignorar esses dados.

Então o cacife brasileiro não vem de agora?

É um processo feito de experiências acumuladas.

O combate ao desmatamento virou cartão de visita brasileiro nos fóruns internacionais?

Se disser isso serei injusta com outras conquistas que o Brasil alcançou. Mas um dos grandes desconfortos internacionais que o País tinha era, de fato, o desmatamento. Só que, desde 1988, vínhamos investindo em monitoramento por satélite na região amazônica, e isso virou uma coisa importante. Significa que se fez uma série histórica com informações de quase 20 anos! Não paramos por aí. Hoje o País tem um plano nacional de recursos hídricos, um plano nacional de combate à desertificação, avançamos em biodiversidade. Isso tudo é um processo que começou lá atrás. Não foi por acaso que sediamos a Rio-92. E não é por acaso que nos credenciamos a sediar a Rio+20, em 2012.

O que fez o desmatamento cair?

Havia anos de informações vindas do monitoramento por satélite. Quando cheguei ao ministério, em 2003, percebi que só se lidava com essas informações, inclusive dando publicidade a elas, depois de o fato consumado. Começamos a usá-las para interferir no processo, não para divulgar estragos. Isso foi decisivo. Reorientou as análises técnico-científicas e possibilitou pensar em políticas de estruturação, dispensando alardes e pirotecnias. Criamos um plano envolvendo outros 13 ministérios. Alavancamos o tema dentro do governo, fazendo com que a coordenação das ações partisse da Presidência da República, por meio da Casa Civil, com suporte técnico-executivo do Ministério do Meio Ambiente. Saímos em três direções: ordenamento territorial fundiário, combate às práticas ilegais, apoio às práticas produtivas sustentáveis. Esse esforço já rendeu 20 operações conjuntas do Ibama e da PF, a detenção de 660 pessoas, entre elas, mais de 120 servidores do Ibama, a apreensão de 1 milhão de m3 de madeira, a aplicação de R$ 3 bilhões em multas, sendo que a multa-padrão passou de R$ 1,5 mil para R$ 5 mil por hectare, por decreto do presidente. Desmantelamos algo como 1.500 empresas que atuavam com práticas ilegais. Transformamos 20 milhões de hectares em áreas de conservação e colocamos no ar um sistema de monitoramento em tempo real, para orientar a fiscalização. Os dados do monitoramento estão disponíveis para instituições de ensino e pesquisa, instituições privadas, enfim, procuramos trabalhar com toda transparência. Por isso os índices foram caindo. Em 2003, o desmatamento foi da ordem de 23 mil km2. Subiu para 27 mil km2, em 2004, e desde então vem baixando: 18 mil km2 em 2005, 14 mil km2 em 2006, e a previsão para 2007 é 9,6 mil km2.

Isso em termos amazônicos. E o restante do País?

Temos o Plano de Combate ao Desmatamento da mata atlântica, que caiu cerca de 75% nos últimos cinco anos, e isso é dado já consolidado. O que há é uma priorização de toda a problemática, passando pela relação meio ambiente/desenvolvimento. Ainda que setores do ambientalismo não compreendam isso, essa nova visão gera saldo positivo. Até 2003 havia 45 hidrelétricas encrencadas na Justiça por problemas ambientais. E não se passava de 145 licenças ambientais/ano. Em 2006, foram 272 licenças e hoje não há hidrelétrica judicializada. É um ganho. Porque se você faz um processo de licenciamento mal feito, num dado momento alguém vai acionar o MP com uma liminar, uma ação civil pública, e o projeto todo pára. Temos buscado processos mais consistentes. Assim foram dadas as licenças no Madeira, no São Francisco, na BR-63.

Ministra, a senhora pode se gabar dos índices declinantes de desmatamento na Amazônia, porém, há duas semanas vemos o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso, ardendo num incêndio dramático. Há só um funcionário do PrevFogo em Cuiabá, faltam aviões para apagar os focos, está difícil proteger as pessoas, os bichos. Isso não a contradiz?

Considere outros fatores. Estamos atravessando um período terrível de seca, com baixa umidade e muito calor. Lidamos tanto com incêndios naturais quanto com incêndios criminosos. Esse tipo de problema está presente em outras partes do País nesta época do ano, não apenas na chapada. Houve fogo no Parque Nacional de Brasília, na Serra do Cipó, em Minas, no Parque de Itatiaia, no Rio, em vários outros lugares. Precisamos saber operar tanto na prevenção, contando com a população, quanto na emergência, ao distribuir equipes pelo País afora. Lá na chapada, estamos com mais de cem homens na linha de combate ao fogo, portanto, não se pode dizer que o Ibama esteja lá só com um funcionário ou algo assim. Nossos funcionários estão trabalhando duro, com bombeiros, equipes da Defesa Civil, grupos de voluntários.

Mas o fogo come solto há duas semanas. Já queimou 10% do parque. Será que a resposta não é lenta demais? É falta de estrutura?

Esse tipo de emergência não coloca um desafio só para o Brasil. Basta lembrar do incêndio gravíssimo que ocorreu na Grécia recentemente. É claro que precisamos aperfeiçoar nossa capacidade de resposta. Mesmo porque, no caso específico, trata-se não só de fazer frente a uma emergência, mas de resolver uma situação de alta complexidade. Você sabe o que significa enfrentar labaredas de até 5 m de altura, com umidadade do ar de 12% e ventos de até 10 km/h? Claro, sempre será melhor prevenir incêndios florestais do que tentar debelá-los. Com isso não estou dizendo que não temos problemas. Mas também não posso cometer simplificações do tipo “se tivéssemos mil homens na linha de fogo, o incêndio estaria sob controle”. Às vezes, as condições ambientais limitam a ação humana.

Com a reestruturação do Ibama, que incluiu a criação do Instituto Chico Mendes, viu-se que o governo queria empenho em licenciar. O que se comenta é que o ritmo do licenciamento aumentou e há casos até de demissão de técnicos do seu ministério por não concordarem com as novas diretrizes.

Não houve uma única demissão por essa razão. O que há são casos de pessoas que desde o ano passado já haviam anunciado que deixariam o ministério. Nada a ver com licenças. E garanto: as licenças só saem quando as questões ambientais são resolvidas. Se não forem resolvidos problemas de sedimentos, problemas com a preservação dos peixes, só para ficar no plano das hidrelétricas, não há licença. E várias não foram dadas. Aqui neste ministério não se facilita nem se dificulta nada. Peremptoriamente digo que nenhum processo de licenciamento foi desvirtuado por pressões daqui ou dali. Tanto que, na reestruturação do Ibama, não houve mudança de uma vírgula na legislação ambiental brasileira.

A legislação não mudou. E a senhora mudou?

Não, porque sempre trabalhei com a idéia do desenvolvimento sustentável. Cheguei a este ministério com uma equipe que foi muito criticada, de início, justamente por ser de ambientalistas. Fomos em frente. Adotamos uma forte diretriz de controle social, com transparência e diálogo entre todos os setores, do empresariado aos catadores de papel. Aumentamos em 30% os efetivos do Ibama, em 20% os salários, estamos regularizando a situação de servidores do ministério que tinham contratos temporários havia 13 anos, fortalecemos parcerias com os Estados e municípios. No meu discurso de posse acentuei a importância do desenvolvimento sustentável, como posso ter mudado? Agora, aprender com o processo é da natureza humana. Todos estamos aprendendo no Brasil - o setor produtivo e o setor ambientalista. Faz parte da dinâmica do desenvolvimento.

E os seus ambientalistas? Mudaram?

Também não. Setores do movimento ambientalista no Brasil foram folclorizados, rotulados de ecoxiitas. Mas, de onde saem soluções para a maior parte dos projetos de desenvolvimento? Saem de estudos e pessoas que estão nas universidades lidando com a agenda ambiental. Ou de pessoas que estão dentro de organizações não-governamentais e instituições de pesquisa. Parte do setor empresarial brasileiro já dialoga tranquilamente com os ambientalistas.

Sua pasta foi criticada por um certo “amazonismo”. Ou seja, pela ênfase que dá à região amazônica, em detrimento do resto do País.

Quem falou isso? Se houve essa crítica é porque pensaram que eu, que venho da região amazônica, iria dar mais atenção a ela. Não é verdade, muito embora se trate de um dos biomas mais importantes do planeta. Quando cheguei ao ministério, havia uma secretaria voltada para a Amazônia e um núcleo para a mata atlântica. Hoje temos trabalhos para todos os biomas. Para o cerrado, a caatinga, o pantanal, o pampa, a Amazônia, a mata atlântica. Agora mesmo estamos encaminhando a PEC do Cerrado para votação na Câmara (transforma a região em patrimônio nacional). Como se pode falar em “amazonismo”?

Acaba de acontecer uma reunião em Viena, preparatória de uma conferência em Bali, no final do ano, para avaliar o alcance do Protocolo de Kioto. Representantes de 151 países deixaram a Áustria meio murchos. Qual foi a participação brasileira?

Temos acompanhado todas as discussões referentes às mudanças climáticas do planeta e o Brasil tem uma posição definida: países desenvolvidos devem assumir e cumprir metas, enquanto países em desenvolvimento, ainda que não tenham metas obrigatórias, têm de assumir responsabilidades e compromissos. É uma posição equilibrada, afinal, 45% da matriz energética brasileira é limpa, ao passo que nos países ricos, isso não passa de 6%. Só o plano de combate ao desmatamento no Brasil, com os decréscimos dos últimos anos, vai reduzir as emissões em meio bilhão de toneladas de CO2. Isso é mais do que 20% de tudo o que deveria ser reduzido pelos países ricos!

Como é que a senhora vê o “mercado verde” que negocia créditos de carbono, movimentando algo em torno de US$ 1 trilhão?

As mudanças climáticas abrem oportunidades. Não podemos ficar pensando só em problemas. O Brasil acabou de apresentar uma proposta de compensação positiva pela redução de CO2 na atmosfera ao baixar o desmatamento. Isso representa dinheiro que poderá ser investido em modelos de desenvolvimento, com políticas sociais, com geração de emprego e tudo o mais. Enfim, as mudanças climáticas podem impulsionar um processo de reavaliação civilizatória, que passa por solidariedade, pela nossa capacidade de fazer parcerias e liderar pelo exemplo, não pela força.

A senhora parece não comungar da visão catastrofista que vem desse suceder de furações, enchentes, terremotos. Ou até das verdades inconvenientes levantadas por Al Gore.

Nem de longe acho que o trabalho do ex-vice-presidente americano coloque a questão numa perspectiva catastrofista. Al Gore mostra os problemas e nos convida a sair da posição de avestruz. É a sua grande colaboração. Conter a degradação do planeta implica mobilizar pessoas, empresas, governos, todos. Os problemas não são tão grandes que não se possa fazer nada. Nem tão pequenos que não mereçam nossa atenção.



MUITO VERDE
“Cheguei ao governo com uma equipe de ambientalistas. Houve críticas”

QUEM FALOU?
“Não existe amazonismo. Há trabalhos para todos os biomas no Ministério”

 

 

 



publicado por fabiodeboni às 23:11
link do post | comentar | favorito
|

quem sou eu?
pesquisar
 
Novembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30


Estatísticas de Acesso
arquivos

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

textos recentes

Repensando a filantropia

Lula e a destruição da me...

Análise política

Sensacionalista

Visão política

Entrevista - Boaventura

Fim do golpe?

A crise e a mídia

Marina

O silêncio de Marina

links
blogs SAPO
subscrever feeds