Política e Sustentabilidade sob um ângulo crítico
Sexta-feira, 31 de Outubro de 2008
O ideal e o possível: o caso do diesel

Um excelente exemplo de situação ideal e o mundo real pode ser visto no caso da polêmica do diesel. Já publiquei outros textos aqui sobre o assunto, relatando as idas e vindas do MMA e CONAMA de um lado, e da Petrobrás e ANP, de outro.

O fato é que finalmente chegaram a um acordo judicial, e advinha quem saiu perdendo?

É claro que o lado ambiental abriu "as pernas" e saiu perdento neste acordo. Na verdade, perde o cidadão das cidades que continua respirando o "fumaceiro" emanado por caminhões e ônibus. Qual seria, aliás, o custo disso para a saúde pública?

Mas isso pouco importa. O que interessa é flexibilizar para o lado das empresas, pois elas não conseguem se adequar a regra "ideal", caso ela fosse aprovada.

 

CLIQUE AQUI para acessar a reportagem sobre o tal acordo firmado.

 

Algumas conclusões podem ser tiradas deste caso:

1. Que o MMA, CONAMA e demais órgãos ambientais representam o lado onde a corda sempre arrebenta.

2. O ministro Minc segue com seu discurso forte mas sua prática frágil. Se posiciona de forma contundente e firme, afirma que não vai abrir mão disso ou daquilo, etc, mas na prática abre mão de tudo e ainda não admite.

3. Entrar numa "dividida" com a Petrobrás não é fácil. Realmente intimida, e faz com que quem vem na jogada tire o pé para não se machucar....

 

Como uma imagem comunica mais do que mil palavras, deixo uma animação para tentar expressar o sentimento que fica...

 

 



publicado por fabiodeboni às 10:30
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008
Meio Ambiente é assunto na mídia

Capa da Revista Época desta semana, a questão "verde" segue na onda da mídia. Por um lado é bom porque ajuda a disseminar o assunto, mas por outro, o faz de maneira superficial, distorcida e parcial.

 

 

Mesmo tentando fazer um discurso mais profundo, a revista não vai além da superficialidade que o mercado verde requer. A começar pela opção pelo termo "turismo verde" ao invés de "ecoturismo". Embora possam parecer sinônimos, eles remetem a conceitos bem diferentes.

CLIQUE AQUI para acessar uma parte da reportagem da capa.

Na verdade a reportagem acaba se tornando uma espécie de agência de viagens, evidentemente voltada a um público mais "classe A". Afinal, quem tem condições de fazer uma viagem a Fernando de Noronha?

 



publicado por fabiodeboni às 10:35
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008
Dados do desmatamento na Amazônia

Divulgado nesta 4a feira, os dados sobre o desmatamento na Amazônia no mês de setembro apresentaram uma queda importante, no comparativo com os meses anteriores.

CLIQUE AQUI para acessar a reportagem. E quem quiser ir direto à fonte, CLIQUE AQUI e acesse a informação no site do INPE.

 

É interessante destacar a metodologia e o relatório gerado pelo INPE, por meio do sistema DETER - Detecção de Desmatamento em Tempo Real. Este sistema, apesar de ter levantado críticas (sobretudo quando aponta crescimento no desmatamento), tem ajudado muito no monitoramento das queimadas e do desmatamento na Amazônia, gerando dados e informações em tempo real que, infelizmente, não têm sido acompanhados das medidas de fiscalização e controle dos órgãos ambientais.

 

Enquanto isso, o desmatamento segue, apesar da queda pontual de setembro. Talvez a crise mundial possa resultar numa redução significativa no desmatamento na Amazônia, mas isso só poderá ser constatado daqui há algum tempo.

 

...a seguir, cenas dos próximos capítulos...



publicado por fabiodeboni às 23:33
link do post | comentar | favorito
|

Plano Nacional de Mudanças do Clima

Vem sendo criticada a proposta de Plano Nacional de Mudanças do Clima, que se encontra sob consulta pública. Diversas organizações ambientalistas vêm alegando que o Plano é frouxo e que não apresenta metas concretas de redução de emissão de GEE (Gases do Efeito Estufa). Alegam ainda que os dados que fundamentam o Plano estão defasados e que o MMA não dialogou com as deliberações das edições anteriores da Conferência Nacional do Meio Ambiente, sobretudo a última (3a), cujo tema foi "Mudanças Climáticas".

 

CLIQUE AQUI para acessar reportagem da Folha de SP desta 4a feira comentando sobre o assunto.

 

CLIQUE AQUI para conhecer algumas dessas críticas ao Plano.

 

E finalmente, pra quem ainda não leu o Plano, CLIQUE AQUI para conhecê-lo e para participar da sua consulta pública.



publicado por fabiodeboni às 10:51
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 28 de Outubro de 2008
VI Congresso Ibero-americano de EA

Finalmente os(as) educadores(as) ambientais ibero-americanos têm mais informações sobre o VI Congresso Ibero-americano de Educação Ambiental, mais conhecido como "Ibero".

A edição anterior foi no Brasil (Joinvile), em abril de 2006, e lá ficou acertado que a próxima edição seria na Argentina. Lá também ficou acertado que seria realizado o I Congresso Lusófono de EA, ocorrido em setembro de 2007, em Santiago de Compostela (Galícia - Espanha).

 

CLIQUE AQUI para acessar o site oficial do VI Ibero.

 

Sinceramente não vi nada de muito diferente da edição anterior para esta. A programação, eixos temáticos e eventos integrados são bem parecidos (pra não dizer os mesmos). Por um lado isto é bom (para nós, brasileiros), porque fica nítida a contribuição da edição anterior do Congresso, pautando o desenho da edição atual...Por outro lado é ruim, porque não se vê inovação (de temas, idéias, etc) e não se dá destaque à "cara" do país que sedia o congresso. Apesar dele ser Ibero-americano, é sempre interessante que o país sede consiga apresentar suas experiências na área.

Aliás, vale ressaltar que a Argentina tem sua trajetória histórica em EA bem diferente do Brasil. Enquanto que aqui a EA emerge do campo "ambiental" e depois adentra no campo da educação (e ainda com dificuldades e resistências), lá sua trajetória se dá no seio dos sindicatos de educadores (professores). E o curioso é que quem está organizando o Congresso Ibero é a Secretaria de Meio Ambiente, sendo que o Ministério da Educação entra apenas como parceiro, e o CTERA (sindicato dos educadores) sequer figura como parceiro (ou co-organizador).

 

E pra lembrar: em 2009 teremos o VI Fórum Brasileiro de EA, previsto para o Rio de Janeiro, e sem data confirmada (após diversas idas e vindas)....Mas sobre isso comento em outro momento....



publicado por fabiodeboni às 21:41
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 27 de Outubro de 2008
Seria a morte do ambientalismo?

Vem acontecendo um interessante debate no meio ambientalista, sobretudo norte-americano, acerca da "morte" do movimento.

Pouco percebemos os reflexos desta discussão aqui no Brasil, infelizmente, pois penso que as críticas e questões levantadas no seu seio poderiam nos ajudar a rediscutir mais profundamente o momento atual do movimento ambientalista brasileiro.

 

CLIQUE AQUI para acessar a reportagem e entender do que estou falando.

 

Destaco 4 pontos da reportagem:

 

1. Ao tornar-se "azul" como o movimento lida com conceitos e princípios "caros" do movimento ambientalista? (participação, sobrevivência, etc)...

De fato, tanto as pautas quanto os discursos do movimento ficaram mais amplos, abrangentes e complexos. Mas isto, por sua vez, já seria um reflexo de que ele está se tornado "azul"?

...tenho minhas dúvidas....

 

2. O foco nos consumidores é uma armadilha perigosa, e reflete uma didática diferença entre modelos de desenvolvimento dos países (dos EUA e do Brasil). E quem nem consegue se enquadrar como um consumidor? Estes, ficam sem acesso e direitos?

 

3. Relação entre o social e o ambiental deve ser uma efetiva via de mão-dupla. Nós, que atuamos no "ambiental" temos tido uma enorme dificuldade de olhar para o "social". Um exemplo: como explicar a "fome" como uma questão socioambiental a uma pessoa que sofre com a falta de alimentos? Como compreender este problema social como também ambiental?

 

4. A questão da marginalização política do movimento ambientalista é relevante. Será que no Brasil ela também é real? Penso que sim, a despeito de termos tido uma ministra do "movimento" (e do atual também). Mesmo tendo uma tal Frente Parlamentar Ambientalista no Congresso Nacional, não consigo visualizar esta força política do ambientalismo. Não consigo identificar um real poder de interferência no rumo das políticas, sobretudo as federais. A não ser por espasmos, não temos conseguido emplacar questões mais profundas e polêmicas, como os transgênicos, energia nuclear, grandes obras na Amazônia, etc....

 

Finalizo com um trecho da reportagem. É um convite à nossa reflexão, pois penso que não temos conseguido sair do dilema aí enunciado:

 

"A despeito do aumento da conscientização ambiental em todo o espectro – dos indivíduos e seus representantes políticos às grandes corporações –, ainda não se consegue vislumbrar como mobilizar uma sociedade consumista e individualista para a mudança em direção à sustentabilidade ecológica".

 

Talvez seja esta a grande questão que mereceria uma reflexão mais profunda e conjunta entre as organizações e redes que compõem o tal movimento ambientalista brasileiro. Vivemos num país dito "emergente", que cresce na direção do modelo do mundo industrializado e pautado pelas velhas máximas do "crescer o bolo para dividir" e da "natureza inesgotável".

Taí um baita desafio para nós - verdes, azuis ou qualquer outra cor que nos batizem.



publicado por fabiodeboni às 16:31
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 25 de Outubro de 2008
A falência do neoliberalismo?

Com a eclosão da crise mundial, pouco se viu a mídia admitir que o modelo neoliberal (disseminado após o Consenso de Washington) se rompeu. Na verdade, o modelo faliu, pois à medida em que os Estados precisam intervir no sistema financeiro, está anunciada a contradição do modelo.

A tese do neoliberalismo é a "liberdade" (dos mercados e do sistema financeiro, é claro). Deixar que o próprio mercado se regule, sem interferência do Estado.

E o que estamos vendo acontecer atualmente?

Justamente uma baita crise desencadeada pela auto-regulação do mercado. O que aconteceu? Quebradeira geral e bagunça no sistema em todo o mundo. E o que precisou ser feito? Intervenção estatal, a partir da injeção de bilhões de dólares para tentar amenizar os impactos da crise.

Logo, a conclusão óbvia é que o modelo neoliberal se mostrou ineficiente e ineficaz. Deixou claro que o Estado não pode deixar totalmente livre para o mercado se auto-regular.

E agora, todos os cidadãos têm que arcar com os custos destas intervenções...

 

Muito interessante a questão. Para o lucro livre de poucos, pode-se deixar a auto-regulação fluir livremente, mas quando a bomba estoura, os Estados têm de intervir, injetando dinheiro dos contribuintes, e todos os cidadãos dividem esta fatura....

 

...mais uma injustiça do nosso modelo civilizatório, econômico e político mundial....

 

Sorte que no Braisl ainda restam alguns poucos bancos estatais de peso - Caixa, BB e BNDES - que serão uma espécie de âncora em pleno maremoto econômico mundial...

E só de lembrar que não faz muito tempo que se ecoava a idéia de privatização destes bancos....

 

Finalizo com um link de um belo texto do Le Monde tratando do assunto. CLIQUE AQUI para acessá-lo e boa leitura!



publicado por fabiodeboni às 11:54
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 24 de Outubro de 2008
Opep

Em reunião há pouco da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), ficou decidido um corte de  1 milhão e meio de barris/dia para elevar o preço do barril e, assim, ajudar a amortecer os impactos da crise mundial.

Em momentos como este fica claro quais são as instâncias que ditam as regras e controlam o sistema mundial - de um lado o G8 e de outro a Opep. Os demais blocos de países são meros coadjuvantes, latem mas não mordem...

CLIQUE AQUI para saber mais como foi a reunião da Opep.

 

Para saber mais sobre a Opep, CLIQUE AQUI.

 

É interessante observar quais são os países que fazem parte dela. São todos países "emergentes" e de regiões com pouca voz ativa no cenário global (África, América do Sul, Oriente Médio). Esta é a bandeira da Opep....Alguém já tinha visto?

 

 

É provável que no médio prazo o Brasil ganhe força para adentrar à organização, especialmente após as recentes descobertas de petróleo no Pré-Sal. Mas isso é uma longa história, com muitas cenas do próximo capítulo pela frente....

 



publicado por fabiodeboni às 10:58
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008
Mais sobre nossa capital

Publicado este ano como encarte especial do Estadão, uma série de reportagens chamada "Megacidades" nos oferece uma série de questões interessantes para o debate acerca do nosso modelo civilizatório.

No caso de Brasília, a reportagem faz um breve panorama dos 48 anos de ocupação do planalto central brasileiro, pautado pelas invasões, grilagens, acordos políticos, populismo, etc....

 

CLIQUE AQUI para acessar a reportagem sobre Brasília e CLIQUE AQUI para saber mais sobre esta cidade, curiosa, diferente, cheia de oportunidades e ao mesmo tempo excludente.

 

A reportagem do Estadão é boa porque traz um "lado B" pouco conhecido para quem não mora ou circula pela nossa capital. Antes de eu vir morar aqui, também tinha uma visão distorcida de Brasília. Aliás, há uma confusão intencionalmente criada entre o Distrito Federal e Brasília. Mas sobre isso comento em outro momento.

 

O fato é que são muitas as contradições pelas bandas do "quadradinho" (como é chamado o DF). Cidades satélites com índices de elevada pobreza (sem falar no entorno do DF), e bairros (ou setores) de milionários.

 

Por fim, um link com fotos históricas da construção de Brasília, em pleno poeirão dos anos 60....CLIQUE AQUI para visualizá-las...



publicado por fabiodeboni às 00:31
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008
Concursos e a vida real

Ministério do Meio Ambiente e Instituto Chico Mendes lançam editais para concurso público. Olhando os salários previstos em cada um, é possível perceber de cara a diferença de prioridade entre os órgãos...No caso do concurso do MMA há três níveis de salários (8 mil, 6 mil e 4 mil, arredondando), enquanto que no ICMBio os salários estão na casa dos 3 mil.

Saiba mais sobre o concurso do MMA CLICANDO AQUI.

Saiba mais sobre o concurso do ICMBio CLICANDO AQUI.

 

Há ainda a previsão de mais um concurso para o IBAMA em 2008. E em 2009 novos concursos já autorizados para estes três órgãos, o que representa uma boa sinalização de investimentos na área ambiental.

 

Entretanto, é sempre bom lembrar que o servidor que chega ao órgão público precisa ter condições mínimas de trabalho - orientação e aval político, estrutura, equipamentos, etc. Infelizmente o cenário na prática reflete uma série de dificuldades que estes órgãos enfrentam.

 

Quem perde é o cidadão brasileiro e a sociedade, de uma forma geral, pela falta de capacidade plena dos órgãos responsáveis pela gestão e proteção ambiental. O problema é que muita gente ainda sai ganhando com tudo isso.

 

E pra não deixar passar, é importante registrar que há uma fábrica de concurseiros em Brasília...Muita gente prestando concurso para passar e prestar o próximo com salário mais alto. Infelizmente é como o vestibular: a lógica de prestar aquela carreira que dá mais dinheiro, mesmo que tenha que passar o resto da vida carimbando e protocolando documentos....

 

...haja vida mais sem propósito e desafio...



publicado por fabiodeboni às 00:03
link do post | comentar | favorito
|

quem sou eu?
pesquisar
 
Novembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30


Estatísticas de Acesso
arquivos

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

textos recentes

Repensando a filantropia

Lula e a destruição da me...

Análise política

Sensacionalista

Visão política

Entrevista - Boaventura

Fim do golpe?

A crise e a mídia

Marina

O silêncio de Marina

links
blogs SAPO
subscrever feeds