Política e Sustentabilidade sob um ângulo crítico
Segunda-feira, 31 de Maio de 2010
Semana do Meio Ambiente

Pesquisa mostra que é crescente a preocupação do brasileiro com a questão ambiental, mas ela não resulta em ação prática. CLIQUE AQUI e leia.

Taí um grande gargalo atual, canalizar esta preocupação das pessoas em atitudes concretas socioambientais. O que estaria por trás desta paralisia?

 

 

Começam as celebrações e atividades que marcam a semana nacional do meio ambiente. Em todo o país é possível encontrar (e participar) de atividades relativas ao tema, que vão desde mero marketing verde a intervenções críticas e de cunho emancipatório.



publicado por fabiodeboni às 15:45
link do post | comentar | favorito
|

Notícias desta 2a feira

A recém criada Câmara Temática de Meio Ambiente do Comitê organizador da Copa de 2014 iniciou suas atividades na semana passada. Seu desafio é enorme pela frente. CLIQUE AQUI e saiba mais. A Câmara está sendo coordenada por Cláudio Langone, ex-secretário executivo do MMA (Marina).

 

Reportagem da Folha de SP desta segunda feira comenta sobre as tentativas frustradas de conter o vazamento e sobre à espera do pior por parte dos EUA. Copio e colo-a na íntegra.

 

São Paulo, segunda-feira, 31 de maio de 2010
 
  Vazamento segue e EUA já falam em "esperar pelo pior"

Injeção de lama falha e BP diz que seria positivo parar fluxo até agosto

BP agora tentará barrar o óleo colocando sobre o vazamento uma nova cúpula; a estratégia, porém, já falhou antes

Jae Hong/Associated Press
 

Na Louisiana, grupo se reúne para limpar os resíduos de petróleo que chegam à praia

DE SÃO PAULO

Após o fracasso de sua operação para conter o vazamento de petróleo no Golfo do México, a BP anunciou ontem um novo plano, enquanto admite que não conseguirá fazer o vazamento parar nas próximas semanas.
"Se conseguirmos conter o fluxo do poço até agosto, fazendo com que não se derrame mais óleo no mar, será uma saída positiva", disse Bob Dudley, diretor-geral da BP, após constatar que a tentativa de injetar resíduos sólidos no poço não havia conseguido deter o óleo.
Essa estratégia, chamada de "Top Kill", foi abandonada em definitivo. "Estamos decepcionados. Não fomos capazes de controlar o fluxo do poço. O vazamento foi enorme", disse Dudley. A BP tinha dito antes que o "Top Kill" tinha entre 60% e 70% de chance de funcionar.
Enquanto isso, Carol Browner, conselheira sênior de Barack Obama na área ambiental, disse que o governo está "se preparado para o pior". Ela disse que "o povo americano precisa saber" que a Casa Branca está preocupada com a possibilidade de o problema não se resolver nos próximos meses.
Pelo menos 80 milhões de litros do combustível fóssil foram derramados no mar desde o desastre começou, há cinco semanas.
Browner reafirmou que o desastre ambiental é "provavelmente o pior que já enfrentamos neste país", deixando para trás o derramamento de óleo provocado pelo petroleiro Exxon Valdez, no Alasca, em 1980.

TENTE OUTRA VEZ
A BP tentará agora usar uma cúpula de contenção similar à utilizada no início de maio. Ela falhou porque cristais de gelo se formaram, impedindo que o petróleo fosse canalizado a uma plataforma na superfície.
Segundo Dudley, o fracasso trouxe lições para os engenheiros que poderiam ser utilizadas na nova cúpula.
O chefe das operações da BP, Doug Suttles, admite, porém, que mesmo se a operação for bem sucedida, só poderá conter parte do petróleo. Isso porque os engenheiros perceberam que não será possível fazer uma cúpula com um encaixe perfeito, que canalize todo o petróleo.
Por isso, a empresa está fazendo novas perfurações. A ideia é canalizar o petróleo por um poço secundário, fazendo com que a pressão do reservatório diminua e o vazamento se reduza até parar.
Essas perfurações vão levar, porém, pelo menos dois meses até ficarem prontas. A conselheira de Obama reforçou que o governo está pressionando a BP para que elas saiam o quanto antes.

Com "New York Times" e agências internacionais



publicado por fabiodeboni às 10:25
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 30 de Maio de 2010
Notícias deste domingo

Mais uma vez foi frustada a tentativa da BP de conter o vazamento. CLIQUE AQUI e saiba mais.

 

Brasil é o principal destino de agrotóxicos proibidos. CLIQUE AQUI e leia.

 

 



publicado por fabiodeboni às 10:50
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 29 de Maio de 2010
Dificuldades pela frente

Reportagem da Folha de SP apresenta alguns problemas regionais que o PV vem enfrentando, antes mesmo do início oficial da campanha.

 

Copio e colo-a na íntegra.

 

São Paulo, sábado, 29 de maio de 2010
 
  Sem recursos, Marina vê "fuga" de aliados regionais

PV tenta evitar debandada, mas já admite perda de palanques estaduais

Falta de apoios locais afeta tempo de TV e exposição durante a campanha; sigla admite dificuldades no caixa

BERNARDO MELLO FRANCO
DE SÃO PAULO

A falta de recursos e o assédio de grandes partidos a pré-candidatos do PV aos governos estaduais ameaçam deixar a presidenciável Marina Silva sem palanques regionais antes mesmo do início oficial da campanha.
Os verdes tentam evitar uma debandada, mas já admitem perder espaços importantes para os adversários José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT). Isso compromete a estratégia de lançar chapas próprias em todo o país para garantir visibilidade e tempo de TV a Marina.
Sem dinheiro ou chance de vitória, militantes verdes que concorreriam "no sacrifício" têm dado sinais de que podem desistir.
Em Estados onde o PV conseguiu definir chapa própria o problema é outro: evitar que os pré-candidatos a deputado e senador abandonem a presidenciável para se aliarem informalmente a legendas maiores.
"Há um processo de cooptação em curso em todo o país. É um problema grave, que nos atormenta", admite Alfredo Sirkis, coordenador da campanha de Marina.
O comitê da senadora tem sido procurado por aliados que relatam ofertas de ajuda financeira para compor "dobradinhas" com outras legendas. Em muitos casos, a contrapartida exigida é omitir o nome de Marina do material de campanha.
"A tendência é que isso aconteça em todos os Estados. Onde não está acontecendo ainda vai acontecer. O jogo é bruto", diz Sirkis.
O Nordeste é considerado a região mais problemática para o PV. De 9 Estados, o partido só conseguiu definir candidaturas próprias em 3: Bahia, Sergipe e Pernambuco, onde o verde Sérgio Xavier sofre assédio do serrista Jarbas Vasconcelos (PMDB) para ser seu vice.
"Jarbas foi um grande governador, mas precisamos manter o palanque para Marina", diz o pré-candidato.
O comitê de Marina admite que é preciso captar recursos para bancar as campanhas estaduais, mas os dirigentes dizem ainda não saber o valor necessário para garantir os palanques próprios.
Na quarta-feira, Marina admitiu dificuldades no caixa, mas prometeu compensar a falta de palanques formais nos Estados "construindo palanques no coração das pessoas". "Não temos a pretensão de querer competir com a megaestrutura desses partidos", afirmou, referindo-se a PT e PSDB.
Por enquanto, os verdes só confirmam oficialmente que ficarão sem palanque em dois Estados: Acre, onde Marina apoia o amigo Tião Viana (PT), e Rio Grande do Norte, onde é aliado da serrista Rosalba Ciarlini (DEM).
No Rio, único lugar onde o PV tem chance de vitória, Fernando Gabeira faz jura de apoio à senadora, mas se sustenta cada vez mais na aliança com PSDB e DEM. Ele já declarou voto em Serra num segundo turno com Dilma.



publicado por fabiodeboni às 10:14
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 28 de Maio de 2010
Grana para florestas e para militares

Países selam acordo para financiar a manutenção de florestas em pé. CLIQUE AQUI e saiba mais.

 

Ainda que as cifras apresentadas na reportagem pareçam significar valores elevados, mal chegam perto do que é investido nos setores militares de muitos destes mesmos países que selaram o tal acordo.

O quadro abaixo ajuda-nos a visualizar o tamanho do orçamento militar anual destinado por alguns países do mundo  Assim, fica mais fácil percebermos que quando se trata de manutenção das florestas em pé (e outras ações socioambientais), eles estão simplesmente oferencendo à comunidade internacional um mísero "trocado" para ficarem com suas consciências tranquilas. Viva a hipocrisia mundial.

 



publicado por fabiodeboni às 15:48
link do post | comentar | favorito
|

Um desastre para a história

Reportagem da Folha de SP desta 6a feira mostra o impacto do desastre ambiental gerado pela BP. Simplesmente, o maior vazamento da história do país.

Copio e colo a reportagem na íntegra.

 

São Paulo, sexta-feira, 28 de maio de 2010
 
  Vazamento é o pior da história dos EUA

Derramamento de petróleo em plataforma da BP no golfo do México ultrapassa o do Exxon Valdez no Alasca

Tentativa de selar poço segue em frente; Obama adia liberação de mais poços e chefe de serviço mineral pede demissão


Lee Celano/Reuters
 

Barco navega em pântano na área de conservação de Pass-a-Loutre, na Louisiana, atingida pelo vazamento de óleo da BP

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

A divulgação de uma estimativa mais precisa divulgada ontem sobre o vazamento de petróleo no golfo do México transforma o acidente da plataforma submarina da BP no maior desastre ambiental da história dos EUA.
O fluxo do vazamento, segundo cientistas do governo e técnicos independentes, é de 2 milhões a 3 milhões de litros de petróleo.
A estimativa usada pela petrolífera até agora era de 800 mil litros por dia. Ao todo, teriam vazado até agora, depois de cinco semanas, algo entre 68 milhões e 148 milhões de litros de petróleo.
O vazamento que detinha o recorde na costa americana até agora era o do navio-tanque Exxon Valdez, que havia despejado 42 milhões de litros no Alasca em 1989.
"Agora nós sabemos a escala real do monstro que estamos combatendo no golfo", disse ontem Jeremy Symons, vice-presidente da Federação Nacional de Vida Selvagem. "A BP libertou uma força irrefreável de proporções pavorosas."
A nova estimativa do acidente da BP no golfo do México saiu um dia após a empresa dar início a uma tentativa ousada de tapar o vazamento com uma mistura de barro e lixo nas tubulações danificadas a 1.500 metros de profundidade.
Até a noite de ontem, a iniciativa estava tendo sucesso.
A BP, porém, parou de transmitir as imagens de vídeo que mostravam o vazamento em tempo real, alegando que as lentes da câmera ficaram sujas demais.

REAÇÃO E DEMISSÃO
Ontem, o presidente Barack Obama respondeu a críticas de que seu o governo teria entregue à BP a responsabilidade por combater o vazamento agora. "Eu assumo a responsabilidade", disse. "É meu trabalho assegurar que tudo esteja sendo feito para fechar isso."
Sob pressão da Casa Branca, a chefe do Serviço de Gestão Mineral dos EUA, Elizabeth Birnbaum, renunciou ao cargo. A agência é responsável por supervisionar a perfuração em águas profundas, e tem sido acusada por Obama ter ter relações promíscuas com as empresas.

TAPE O FURO, BABY
Obama também afirmou que vai estender a moratória a autorizações para perfuração submarina por mais seis meses, e vai suspender por tempo indeterminado planos de exploração na costa do Alasca, na Virgínia e em 33 poços em fase de perfuração no próprio golfo do México.
"A extração está mais cara e ficará inerentemente mais perigosa", disse o presidente. "Isso é parte da razão pela qual vocês nunca me ouviram falar "fure, baby, fure'", afirmou, em referência ao lema da ex-governadora do Alasca Sarah Palin.
A perfuração em águas profundas, porém, era peça-chave de política energética de Obama, que quer ver aprovada no Senado uma lei que reduz a dependência dos EUA de óleo importado e amplia a energia renovável.
Segundo analistas, a decisão estimula empresas a buscarem concessões de plataformas em lugares como o Brasil. Isso forçaria os EUA a importar mais petróleo, aumento o risco de acidentes com navios-tanques. "Isso é trocar o risco de um tipo de derramamento por outro", diz Mike Breard, da Hodges Capital Management.



publicado por fabiodeboni às 10:41
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 27 de Maio de 2010
Mato Grosso e Semana do Meio Ambiente

Diversos acusados de envolvimento no esquema de fraude no Mato Grosso foram soltos (CLIQUE AQUI e veja) enquanto que alguns foram transferidos (CLIQUE AQUI e saiba mais).

 

Semana do meio ambiente, que começa no início da próxima semana, começa a aparecer na mídia. Nada de novo além da mesmice de sempre - oficinas, eventos, seminários, palestras, lançamentos e muita espuma. Alguns poderiam dizer: ruim com ela, pior sem....Enfim...

O fato é que, sejamos favoráveis ou contrários, a data está aí (referência é dia 5 de junho) para ser comemorada ou não.



publicado por fabiodeboni às 20:59
link do post | comentar | favorito
|

Sustentabilidade e BP

Interessante artigo de um colunista da Carta Capital analisando o viés verde das iniciativas de sustentabilidade do mundo empresarial, sem conexão com a dimensão social e humana. É um bom exemplo para ilustrar de forma simples e direta o conceito "socioambiental", tão batido e divulgado na atualidade.

CLIQUE AQUI e leia.

 

Enquanto isso, circula na mídia notícia que indica que a BP parece ter consegui estancar o vazamento de petróleo no golfo do México. CLIQUE AQUI e saiba mais. Algumas observações importantes:

1. A BP ainda não confirmou o sucesso da operação.

2. Ela não fez mais do que a obrigação.

3. Aliás, demorou muito pra adotar medidas efetivas para conter o vazamento.

4. Quem irá cuidar dos impactos gerados a partir do vazamento? Quem pagará esta conta?



publicado por fabiodeboni às 15:56
link do post | comentar | favorito
|

Clima e Mata Atlântica

Na Grã Bretanha ambientalistas estão preocupados com as tendências recentes de aumento na crença dos céticos perante a população sobre as mudanças climáticas. CLIQUE AQUI e saiba mais. Fica nítido que o tema está em permanente disputa e que a corrente cética vem ganhando terreno jogando peso nas incertezas e inconsistências de dados revelados.

 

Reportagem da Folha desta 5a feira informa mais sobre o aumento no desmatamento da Mata Atlântica, especialmente em Minas e no Rio Grande do Sul. Copio e colo-a na íntegra.

 

São Paulo, quinta-feira, 27 de maio de 2010
 
 
Carvão devasta mata atlântica mineira

Estado vê desmatamento no bioma crescer 15%, na contramão da tendência geral de queda entre 2008 e 2010

No RS, derrubada quase dobrou, mas em área bem menor; em SC, chuvas fizeram taxa cair em 75%, diz ONG


CLAUDIO ANGELO
EDITOR DE CIÊNCIA

A exploração ilegal de carvão vegetal para siderúrgicas tornou Minas Gerais o Estado campeão de desmatamento na mata atlântica.
O dado é da nova edição do atlas de remanescentes do bioma, divulgado ontem pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e pela ONG SOS Mata Atlântica.
As imagens de satélite trazem, por um lado, uma boa notícia: nos nove Estados monitorados entre 2008 e 2010, a devastação no bioma caiu 21% em comparação com a média anual do período anterior, de 2005 a 2008.
Até em Santa Catarina, tradicional líder em destruição do bioma, o desmate caiu.
Apesar da aprovação, no ano passado, de uma lei que permite aos produtores do Estado desmatarem a mais em margens de rio (áreas de proteção permanente), o Estado teve uma redução de 75% na taxa de desmatamento entre 2008 e 2010 em relação à média de 2005 a 2008.
Segundo Flávio Ponzoni, coordenador do monitoramento da mata atlântica do Inpe, a queda provavelmente pode ser explicada pelas chuvas do final de 2008, que arrasaram Santa Catarina -e frearam a economia.

VENDO ALÉM
Por outro lado, Minas e Rio Grande do Sul contrariaram a tendência geral, com 15% e 83% de aumento na taxa, respectivamente.
Neste último Estado, a devastação se concentrou na região serrana.
Segundo Márcia Hirota, diretora da SOS Mata Atlântica, a razão da explosão do desmatamento observado em terras gaúchas ainda precisa ser explicada.
Mas ela se deve provavelmente não a uma mudança radical na economia, mas à melhora do método de detecção, que consegue "enxergar" derrubadas menores.
"No Sul as propriedades são pequenas. Há 20 anos [quando o monitoramento começou] só conseguíamos ver desmatamentos maiores que 40 hectares. Hoje, enxergamos até 3 hectares."
Já em Minas, apesar de a porcentagem de aumento na taxa ser menor, o tamanho da devastação é bem maior: foram 12.524 ha de mata atlântica perdidos entre 2008 e 2010, contra 1.897 ha no Rio Grande do Sul.

TRANSIÇÃO
Os cinco municípios que mais desmataram o bioma estão todos no norte mineiro, em florestas de transição entre mata atlântica, cerrado e caatinga. Nessas áreas há exploração de lenha para a fabricação de carvão vegetal.
Segundo Hirota, é a mesma região que concentrara a derrubada em 2005-2008. "Nós já havíamos alertado o governo do Estado", diz. "Seria interessante ver o que eles fizeram a respeito."
Está em tramitação na Assembleia Legislativa mineira um projeto de lei para excluir as matas dessa região, as chamadas "florestas secas", da proteção da Lei da Mata Atlântica, Isso legalizaria desmatamentos ali.
"O problema da siderurgia tem solução", disse Mario Mantovani, da SOS Mata Atlântica. "[Minas] já tem uma área plantada extensa [de eucalipto para fabricar carvão], mas há o problema do contrabando."



publicado por fabiodeboni às 10:15
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 26 de Maio de 2010
Várias

Estudo divulgado aponta os estados campeões de desmatamento da Mata Atlântica. CLIQUE AQUI e saiba mais.

 

Interessante artigo do Observatório da Imprensa sobre a mesmice dos meios de comunicação. Escutando a rádio hoje (não me lembro qual emissora), ouvi um interessante comentário da mesma organização sobre a repercussão da sabatina aos presidenciáveis, ocorrida ontem em Brasília. A análise apontavam para a ênfase dada por Estadão e Folha ao discurso mais duro de Serra (pra variar) e para o quanto a mídia (em geral) estava dando espaço para Marina, ainda que este espaço não esteja sendo acompanhado de informar seus respectivos leitores sobre suas idéias centrais. Estaria a mídia, com esta estratégia (de dar espaço à Marina), já pensando no segundo turno?

 

Estudo indica que o padrão de produção de lixo no Brasil se aproxima do modelo norte-americano. Algo que poderia passar despercebido, revela um lado assustador do modelo de produção e consumo vigente no país e no mundo. CLIQUE AQUI e saiba mais.

 



publicado por fabiodeboni às 18:12
link do post | comentar | favorito
|

quem sou eu?
pesquisar
 
Novembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30


Estatísticas de Acesso
arquivos

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

textos recentes

Repensando a filantropia

Lula e a destruição da me...

Análise política

Sensacionalista

Visão política

Entrevista - Boaventura

Fim do golpe?

A crise e a mídia

Marina

O silêncio de Marina

links
blogs SAPO
subscrever feeds