Política e Sustentabilidade sob um ângulo crítico
Quarta-feira, 30 de Junho de 2010
A debandada do consumo

Reportagem que informa sobre relatório elaborado pelo The Worldwatch Institute e divulgado no Brasil pelo Akatu revela dados assustadores sobre o aumento no consumo no mundo todo. Dados como contrapõem o legado mais do que equivocado deixado por Malthus - de que a população mundial cresceria em ritmo mais acelerado do que a capacidade de produzir alimentos e matéria prima - e batem forte na tecla do padrão esquizofrênico de produção e consumo imposto ao planeta. Além disso, aponta também o desperdício gerado a partir de um consumo excessivo.

CLIQUE AQUI e leia.

Quem quiser conhecer a versão brasileira do relatório, CLIQUE AQUI.

O material já é conhecido por todos - O Estado do Mundo - e é aualmente produzido e divulgado pelo WWI.



publicado por fabiodeboni às 16:03
link do post | comentar | favorito
|

Pequeno recuo

Reportagem da Folha de hoje indica um pequeno recuo de Aldo no seu relatório, que deverá ser votado no plenário só no final do ano....Ainda nem foi aprovado na sua comissão.....

 

São Paulo, quarta-feira, 30 de junho de 2010
 
  Deputado recua em projeto de lei de florestas

Aldo Rebelo altera proposta que poderia estimular desmate de reserva legal no país

NANCY DUTRA
DE BRASÍLIA

Um dos pontos mais criticados por entidades ambientalistas no parecer do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) sobre o novo Código Florestal sofrerá modificações.
A versão final do relatório será votada na próxima semana, na comissão da Câmara que debate as alterações na lei. Pelo texto do relator, as propriedades rurais com até quatro módulos fiscais estarão desobrigadas da necessidade de manter reserva legal. Essas áreas representam as florestas protegidas.
Os ambientalistas enxergaram na medida uma carta branca para o desmatamento. Na Amazônia, por exemplo, um módulo fiscal pode passar de 100 hectares.
Sob pressão, Rebelo recuou e afirmou ontem que mudará o texto para impedir novos desmates. "Os pequenos produtores não estarão autorizados a se desfazer da vegetação nativa, só não serão obrigados a recompor a reserva legal", defendeu.
A proposta de alteração foi vista com ressalvas por Rafael Cruz, do Greenpeace. "É bom que o relator tenha recuado, esclarecido o que não está claro, mas precisamos ler o novo texto para saber de fato o que mudará."
A versão final deverá ser apresentada pelo deputado nos dias 5 ou 6 de julho, segunda e terça-feira.
Rebelo afirmou que não irá alterar outros pontos polêmicos, como a transferência de poder aos Estados para que legislem sobre temas ambientais, a anistia de multa para os produtores que desmataram até julho de 2008 e a flexibilização nas regras das APPs (áreas de preservação permanente).
Sobre esse último ponto, o deputado negou que seu relatório aumente as áreas de risco em caso de enchentes e desastres naturais, como os que ocorreram em Alagoas e Pernambuco nas últimas semanas. A crítica foi feita pelo Ministério Público Federal, em nota técnica encaminhada ontem ao Congresso.
"As pessoas foram vítimas porque são pobres, não porque moram em APPs", disse Rebelo. Tais áreas garantem a estabilidade das encostas.
Mesmo que seja aprovado na comissão especial -que conta com maioria de deputados ruralistas-, o texto não deverá ser analisado pela Câmara antes das eleições.



publicado por fabiodeboni às 10:53
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 29 de Junho de 2010
Carta Verde

Pra quem ainda não viu a Carta Capital lançou um encarte chamado de "Carta Verde" abordando a temática socioambiental semanalmente. Uma das reportagens desta semana e também disponível no site aborda o polêmico relatório de Aldo Rebelo. Intitulada "Vermelho versus Verde" a reportagem nos ajuda a melhor compreender as críticas que desabaram sobre o comunista.

CLIQUE AQUI e leia.



publicado por fabiodeboni às 20:47
link do post | comentar | favorito
|

Espírito de Copa

Edição do Le Monde Brasil de junho traz algumas reportagens bem interessantes sobre o submundo da Copa do Mundo e da FIFA. É bom irmos abrindo o olho afinal 2014 está aí e o Brasil terá muito sapo pra engulir até lá. CLIQUE AQUI e saiba mais. Tem uma entrevista com o Juca Kfouri muito boa. Pena que não é possível acessá-la pelo site. Só lendo nas bancas mesmo....

 

Pouco se fala do lado B da Copa do Mundo. Temos visto juízes roubarem descaradamente, cotntrariando replays de lances polêmicos e assumindo erros crassos. Nada que talvez já não esteja programado nos bastidores.



publicado por fabiodeboni às 18:12
link do post | comentar | favorito
|

Rapidinhas

Reportagem indica que o planeta atravessa um dos períodos mais quentes da sua história. CLIQUE AQUI e saiba mais.

 

Congresso de jornalistas em Bonn, finalizado dias atrás, revela que a classe está começando a se empenhar mais na comunicação das mudanças climáticas. CLIQUE AQUI e veja.

 

Reportagem da Revista Fórum revela a luta de pessoas de Natal contra a especulação imobiliária estrangeira. CLIQUE AQUI e leia.



publicado por fabiodeboni às 11:16
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 28 de Junho de 2010
Dois lados da mesma moeda

Entrevista de Aldo Rebelo no Correio Braziliense. CLIQUE AQUI e leia. Nada de novo aos seus pífios argumentos, já bem batidos na imprensa.

 

Contrapondo o seu otimismo "patriótico", segue texto que analisa o relatório de Aldo. CLIQUE AQUI e saiba mais.



publicado por fabiodeboni às 16:17
link do post | comentar | favorito
|

Mudança no discurso

Reportagem da Folha de hoje indica a mudança no discurso da Marina.....Antes mais em cima do muro e agora mais inclinada ao atual governo....O que será que vem depois?

 

São Paulo, segunda-feira, 28 de junho de 2010
 
  PRESIDENTE 40 ELEIÇÕES 2010

Marina muda tom e agora flerta com a base de Lula

Verde amplia elogios ao presidente e aposta no slogan de "outra Silva"

Aliado diz que senadora conhece o potencial da "marca Lula'; ela nega ter alterado o discurso com objetivos eleitorais

BERNARDO MELLO FRANCO
DE SÃO PAULO

A chegada de um operário ao poder tirou 25 milhões de pessoas da pobreza e mostrou que é possível crescer com distribuição de renda.
O presidente Lula não precisa de um opositor, mas de um sucessor que saiba reconhecer suas conquistas e fazer o país avançar mais.
O povo brasileiro perdeu o medo de ver um Silva no Palácio do Planalto.
As ideias acima podiam estar numa cartilha petista, mas foram apresentadas nas últimas duas semanas pela candidata do PV à Presidência, Marina Silva.
Depois de iniciar a campanha com críticas duras ao governo, ela mudou o tom e adotou um discurso mais ameno, valorizando as semelhanças com o ex-chefe.
A guinada foi discutida na cúpula verde, após pesquisas mostrarem que a senadora começava a ser vista como uma figura de oposição ao líder mais popular da história recente do país.

OUTRA SILVA
Desde o dia 10, quando elogiou o presidente pela redução da pobreza na convenção do PV, Marina investe para aproximar sua imagem à de Lula -cujo governo tem aprovação recorde de 76%, segundo o Datafolha.
Aliada do petista em suas cinco campanhas presidenciais, ela tem ressaltado pontos em comum de suas trajetórias. Os dois têm origem pobre, driblaram a fome e entraram na política ao lado dos movimentos sociais.
O flerte com o eleitorado lulista ganhou um esboço de slogan no dia 16, quando a senadora disse, na sabatina da Folha, que "as pessoas que votaram no Lula vão continuar votando num Silva, só que na Marina Silva".
Na quinta-feira, ela brincou com neologismos eleitorais da política mineira para sugerir que espera o voto de quem aprova o presidente.
"O pessoal está fazendo junções e criando nomes exóticos, como Pimentécio e Dilmasia. Eu nem preciso disso, porque já sou naturalmente Silva", afirmou.
A senadora disse à reportagem que "o povo aprendeu a não ter medo dos Silvas". "Passaram anos assombrando que o Silva não dava certo, mas agora o pessoal perdeu o medo."
O aliado Airton Soares defende a guinada no discurso: "Marina sabe o potencial eleitoral da marca Lula. Por isso tem procurado mostrar sua proximidade com ele".
Para o ex-deputado, ela deve aproveitar a popularidade presidencial por ter integrado o governo até 2008. "Marina seria uma sucessora mais natural de Lula do que a Dilma", provoca ele.
Questionada, a candidata disse não ter mudado sua avaliação do governo com fins eleitorais. "Não tenho elogiado mais. Nunca fiz diferente do que estou fazendo. Mas, à medida que tenho mais espaço, isso vai aparecer mais", justificou.
A convenção do PV marcou a entrada de outro elemento novo no repertório de Marina, que pediu orações para que o "Brasil possa ter a primeira mulher negra, de origem pobre", no Planalto.
Em setembro de 2009, ela afirmou à revista "Veja" que seria "oportunismo" explorar na campanha o fato de ser "mulher, negra e de origem humilde". Anteontem, disse não ver contradição entre as duas declarações.
"Obama não negava que era negro, não teve que fazer um curso de Michael Jackson para ser presidente. Não posso negar minhas raízes e minha trajetória humilde. Mas não vou usar isso para polarizar a disputa", prometeu.



publicado por fabiodeboni às 11:26
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 26 de Junho de 2010
Duas notas rápidas

Seria o fim do amianto no Brasil? Esta é a tendência que se observa na Câmara dos Deputados, conforme releva a reportagem. CLIQUE AQUI e leia.

 

25 brasileiros vão compor a equipe do IPCC que irá elaborar um novo Relatório sobre mudanças climáticas. CLIQUE AQUI e saiba mais.



publicado por fabiodeboni às 10:37
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 25 de Junho de 2010
Desperdício do lixo

Reportagem do Estadão releva que um terço do lixo reciclável é desperdiçado em São Paulo. CLIQUE AQUI e leia.

Esta é, possivelmente, uma realidade em muitas cidades brasileiras....



publicado por fabiodeboni às 16:00
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 24 de Junho de 2010
Dá pra confiar?

Reunidos num Seminário em São Paulo representantes de instituições financeiras privadas e estatais reconheceram que precisam avançar mais na adoção de critérios socioambientais para definir seus investimentos nas áreas de infraestrutura e habitacional.

CLIQUE AQUI e saiba mais.

Interessante perceber que este setor está perseguindo avanços, o difícil é crer que eles serão significativos e profundos a ponto de terem que repensar suas práticas tradicionalmente incompatíveis com a dimensão da sustentabilidade.



publicado por fabiodeboni às 20:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

quem sou eu?
pesquisar
 
Novembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30


Estatísticas de Acesso
arquivos

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

textos recentes

Repensando a filantropia

Lula e a destruição da me...

Análise política

Sensacionalista

Visão política

Entrevista - Boaventura

Fim do golpe?

A crise e a mídia

Marina

O silêncio de Marina

links
blogs SAPO
subscrever feeds